Apple afirma que mantém quase meio milhão de empregos nos Estados Unidos

Rafael Rodrigues da Silva
Em resposta a uma reportagem do NY Times, a empresa descreve as suas iniciativas de capacitação dentro do país, além de revelar um investimento de U$ 60 bilhões em fornecedores dos Estados Unidos, reponsável por manter 450 mil vagas de trabalho ativas no país

Em uma publicação feita nesta segunda-feira (28) em seu site oficial, a Apple revelou exatamente como tem ajudado a gerar empregos nos Estados Unidos, afirmando que em 2018 a empresa adquiriu componentes de mais de 9 mil fornecedores do país, o que direta e indiretamente ajudou a manter quase meio milhão de empregos.

A postagem foi uma resposta direta a uma reportagem do NY Times publicada na manhã desta segunda-feira, que revelou que a Apple foi obrigada a adiar o lançamento do Macbook Pro em 2013 por não conseguir encontrar o fornecedor de um parafuso específico nos Estados Unidos e ter sido obrigada a importar o componente da China.

Em seu comunicado oficial, a Maçã deu foco especial ao programa Advanced Manufacturing Fund da Apple, que transformou um galpão abandonado na cidade de Sherman, no Texas, em um local onde trabalhadores são capacitados para produzir e melhorar o sistema TrueDepth, introduzido nas câmeras da Apple com o iPhone X em 2017.

Já na parte sobre os fornecedores, a companhia de Cupertino faz questão de citar que, em 2018, a empresa gastou cerca de U$ 60 bilhões em 9 mil fornecedores locais, que somados são responsáveis por cerca de 450 mil empregos. A empresa ainda mostra que esse valor foi 10% maior do que o gasto em 2017, o que mostra que a Apple está preocupada com o desenvolvimento da indústria local, e cita ainda que a quantidade de vagas de emprego que a empresa cria ou ajuda a manter, de modo direto ou indireto, mais do que triplicou nos últimos sete anos, passando de 600 mil em 2011 para quase 2 milhões de vagas em 2018, divididas entreos 50 estados do país.

A publicação ainda destaca alguma tecnologias inovadoras usadas nos iPhones que foram desenvolvidas e são fabricadas dentro dos Estados Unidos, como o vidro das telas dos iPhones e iPads, que são produzidos pela Corning (uma empresa de vidros de Kentucky que já está na ativa há 65 anos), o equipamento que torna o iPhone à prova d'água que foi desenvolvido pela Cincinnati Test Systems em Ohio, e os chips de conexão à internet banda larga que são fabricados pela Broadcom (Fort Collins/Colorado), Qorvo (Hillsboro/Oregon) e Skyworks (Woburn/Massachusetts). Outro ponto destacado foi o programa AMP, que oferece treinamento a estudantes do ensino médio, ensinando-os a trabalhar em posições técnicas dentro das linhas de produção e encorajando-os a seguir carreiras de engenharia no futuro.

Além da reportagem do NY Times, a Apple vem há meses sendo acusada pelo presidente Donald Trump de não investir na criação de empregos dentro dos Estados Unidos e de terceirizar toda a fabricação de seus produtos para empresas chinesas.

Fonte: Canaltech