Apple demite 200 pessoas de seu projeto de carros autônomos

Felipe Demartini
Trabalhos com a tecnologia estão acontecendo desde 2014, com as dispensas sendo categorizadas internamente como uma reestruturação. Projeto Titan tem caráter ultrassecreto, com confidencialidade até mesmo dentro da própria companhia

A Apple realizou, nesta semana, uma grande rodada de demissões no Projeto Titan, seu ultrassecreto programa de desenvolvimento de carros autônomos. De acordo com informações extraoficiais publicadas na imprensa internacional, 200 pessoas teriam sido dispensadas como parte de uma reestruturação do setor, que é uma incógnita até mesmo para muitos funcionários de alto escalão da Apple.

Não se sabe, entretanto, o nível de profundidade dessa onda de demissões, se ela atinge apenas funcionários de baixo escalão ou incluiu também executivos e diretores. A Apple não entrou em tais detalhes e, em comunicado confirmando as dispensas, não cita diretamente o Projeto Titan, mas diz estar focando em outras áreas importantes neste ano.

De acordo com porta-voz, alguns funcionários efetivamente foram dispensados, enquanto outros estão sendo realocados dentro da própria companhia em iniciativas que envolvem inteligência artificial e machine learning. Apesar das mudanças, diz ver grande potencial no trabalho que está realizando e afirma que o projeto é um dos mais ambiciosos de sua história.

Prova disso é a contratação de gente do mercado automotivo e de tecnologia. Doug Field, vice-presidente de engenharia da Tesla, por exemplo, se tornou o líder do Projeto Titan em agosto do ano passado. Ele estaria trabalhando ao lado de Bob Mansfield, que também deixou o cargo de vice-presidente sênior de tecnologias da Maçã para seguir na empresa em um cargo não revelado. Os dois não teriam sido afetados pela onda de demissões.

Enquanto isso, os rumores apontam não necessariamente para problemas no desenvolvimento de veículos autônomos, mas para grandes mudanças de foco que podem ter levado às dispensas realizadas nesta semana. Inicialmente, a Apple estaria trabalhando em parcerias para, efetivamente, lançar um carro com sua marca. Esse trabalho, entretanto, teria sido modificado recentemente para se focar somente no software embarcado.

A reestruturação deste começo de ano é a segunda realizada na história do Projeto Titan. A primeira aconteceu ainda nos primeiros anos dos trabalhos, em 2016, quando a Apple também demitiu funcionários e mudou de estratégia para, na época, melhor se adequar à competição com outros players desse segmento, como a Waymo, da Alphabet, e a própria Tesla.

Enquanto isso, o real andamento do Projeto Titan continua um mistério, com as poucas informações aparecendo, por exemplo, nos relatórios relacionados a um acidente com um carro autônomo, em meados do ano passado, ou no gigantesco processo em que um ex-funcionário foi acusado de roubar segredos industriais da empresa. Levando em conta que os vazamentos sobre a Apple normalmente vêm em torrente, chega a ser impressionante o fato de que quase nada ser sabido sobre a iniciativa de veículos que se dirigem sozinhos.

Fonte: Canaltech