Apple planeja tornar o iPad mais parecido com um laptop e menos com um telefone

A Apple anunciará mudanças significativas no sistema operacional do iPad na próxima semana, segundo pessoas com conhecimento do assunto, parte de um esforço para tornar o dispositivo mais parecido com um laptop e menos com um telefone.

A próxima grande atualização de software do iPad, o iPadOS 16, terá uma interface multitarefa redesenhada que tornará mais fácil ver quais aplicativos estão abertos e alternar entre tarefas, disseram as pessoas, que pediram para não serem identificadas porque as mudanças ainda não são públicas. O sistema também permitirá que os usuários redimensionem as janelas de aplicativos.

Apple: Com nova política da privacidade, você continua rastreado, só que de maneira diferente

Facebook x Apple: Mas, afinal, o que dona do iPhone tem a ganhar com o fim do rastreamento de dados no iOS?

Finanças: Apple vai aumentar salário mínimo pago nos EUA em meio a escassez de trabalhadores

O iPad responde por quase 9% das vendas anuais da Apple, e essa porcentagem aumentou nos últimos anos. Mas os usuários profissionais do dispositivo pedem por uma interface que se pareça mais com uma experiência de laptop. O hardware do iPad, que agora inclui o mesmo processador M1 de alguns laptops da Apple, ficou cada vez mais poderoso e, de certa forma, o sistema operacional não acompanhou.

Um porta-voz da empresa com sede em Cupertino, na Califórnia, não quis a comentar.

A nova interface do iPad será uma das maiores atualizações anunciadas na sua conferência anual, a Worldwide Developers Conference, que também incluirá atualizações de software para iPhone, Mac, Apple Watch e Apple TV.

Atualmente, os usuários do iPad podem executar aplicativos em tela cheia, como em um iPhone, ou executar dois aplicativos lado a lado. A empresa também permite que os usuários adicionem uma versão reduzida de um terceiro aplicativo deslizando-o lateralmente. As alterações vão expandir essa interface.

Apple: Empresa está prestes a lançar óculos de realidade virtual e aumentada

Estima-se que a Apple gere mais de US$ 20 bilhões por ano na App Store, e o evento WWDC ajuda a manter essa receita. Novos recursos de software ajudam a estimular os desenvolvedores a criar novos aplicativos que, por sua vez, aumentam a receita.

Para o iOS 16, a próxima versão do sistema operacional do iPhone, a Apple planeja várias mudanças, incluindo um novo bloqueio de tela com widgets, segundo informou a Bloomberg.

A empresa também atualizará o aplicativo de saúde e adicionará novos recursos de áudio e redes sociais ao app de mensagens. Aplicativos redesenhados para macOS também estão a caminho, incluindo uma reformulação nas Preferências do Sistema.

'Carros voadores': Start-up britânica fecha parceria com dona do aeroporto de Brasília para criar infraestrutura

Para o Apple Watch, a empresa planeja mudanças nos mostradores do relógio, na navegação do sistema e em vários aplicativos do dispositivo, incluindo uma atualização notável nos recursos de rastreamento de condicionamento físico.

A empresa também planeja um novo modo de baixo consumo de energia que permitirá aos usuários operar o dispositivo quando a bateria estiver acabando. O modo de baixo consumo atual só mostra a hora.

Da China para o Vietnã

A BYD, fornecedora da Apple, planeja iniciar a produção de tablets no norte do Vietnã neste mês, de acordo com um comunicado do governo, um impulso para um país que deve se beneficiar à medida que fabricantes de eletrônicos buscam alternativas para a China.

Em dezembro, funcionários do Parque Industrial de Phu Ha concederam à BYD uma licença para construir uma fábrica de 6,23 bilhões de dongs (US$ 268 milhões), de acordo com um comunicado publicado no site da província de Phu Tho. A planta terá capacidade para fabricar 4,33 milhões de tablets por ano a partir deste mês, segundo o comunicado.

A BYD, que agora monta iPads principalmente na China, também poderá produzir 50 milhões de unidades de vidro óptico por ano.

PIB: Governo diz que crescimento de 1% é 'robusto' e indica recuperação da economia

Os fornecedores da Apple com grandes bases de produção na China começaram a considerar a transferência de sua capacidade para o Sudeste Asiático depois que as tensões entre Washington e Pequim aumentaram, uma medida que deve acelerar a turbulência da era da pandemia.

Este ano, uma série de bloqueios de Xangai a Shenzhen desorganizaram as cadeias de suprimentos, expondo a fragilidade de um sistema que depende da China para produzir a maior parte dos eletrônicos do mundo.

A Apple estima que as restrições à Covid na China e outras restrições de fornecimento custarão à empresa até US$ 8 bilhões em vendas.

O governo vietnamita disse em janeiro de 2021 que o Foxconn Technology Group, maior parceiro de fabricação da Apple, planejava investir US$ 700 milhões no país naquele ano. A província de Bac Giang, no norte do país, concedeu uma licença de investimento de US$ 270 milhões à sua unidade Foxconn Cingapura para produzir laptops e tablets, disseram autoridades.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos