Apple sinaliza a Trump anunciando projetos de expansão nos EUA

1 / 2
A Apple decidiu trasladar a produção de um de seus modelos de computador, o novo Mac Pro, dos Estados Unidos para a China

A pressão de Donald Trump mostrou resultado e a Apple revelou nesta quinta-feira investimentos em várias regiões nos Estados Unidos

Embora não sejam investimentos para construir fábricas em território americano, como pede o presidente republicano, esses anúncios parecem ser um gesto de apaziguamento com Trump.

Na disputa comercial dos Estados Unidos contra a China, Trump advertiu que os preços dos iPhone, iPod e iPad podem subir devido às tarifas punitivas que poderá impor à China caso não haja acordo.

E argumentou que a melhor maneira de a Apple evitar tais consequências seria produzir seus dispositivos nos Estados Unidos.

Em 2017, o presidente garantiu que a Apple havia lhe prometido abrir três fábricas no território americano. Entretanto, a equação é mais difícil para a Apple do que para as fabricantes de automóveis, que transferiram suas montadoras dos EUA para o exterior a fim de reduzir custos.

A empresa de Cupertino nunca moveu empregos para os exterior, pois eles já foram criados fora do país.

A Apple é altamente dependente da China, onde produz a maioria de seus dispositivos, mas pode aumentar sua força de trabalho nos Estados Unidos.

- Novos escritórios -

O novo espaço ficará a menos de dois quilômetros de suas instalações em Austin e, inicialmente, terá capacidade para mais 5 mil funcionários, com espaço para crescer até 15 mil.

Atualmente, 6.200 pessoas trabalham para a Apple na capital do Texas, na segunda maior instalação da empresa, depois de sua sede em Cupertino, Califórnia.

Os funcionários do novo espaço trabalharão em áreas como engenharia, pesquisa e desenvolvimento, operações, finanças, vendas e atendimento ao cliente, informou a Apple em um comunicado.

"A Apple está orgulhosa de trazer novos investimentos, empregos e oportunidades para as cidades dos Estados Unidos e aprofundar significativamente nossa parceria de 25 anos com a cidade e o povo de Austin", declarou o CEO da empresa, Tim Cook.

"O talento, a criatividade e as ideias inovadoras para o futuro não são limitadas por região, ou por código postal e, com essa nova expansão, estamos redobrando nosso compromisso de cultivar o setor de alta tecnologia e a força de trabalho em todo o país", acrescentou.

A Apple também informou que planeja aumentar sua base de funcionários em outras regiões dos Estados Unidos nos próximos três anos e analisa investir 10 bilhão de dólares em centros de dados nos próximos cinco anos.

Deverá contratar mais de 1.000 funcionários em cada um de seus novos escritórios em Seattle, San Diego e Culver City, na Califórnia; e outras centenas em Pittsburgh, Nova York, Boulder, no Colorado, Boston e Portland.

A companhia revelou também que planeja investir US$ 10 bilhões em centros de dados nos Estados Unidos nos próximos cinco anos.

- Ajuda financeira? -

Não foi tão difícil para Apple mostrar sinais de boa vontade, já que neste ano se beneficiou da grande reforma fiscal americana do governo de Trump.

Essa reforma, aprovada há quase um ano, reduziu significativamente os impostos corporativos e permitiu que as empresas norte-americanas repatriassem seus lucros obtidos no exterior a um custo fiscal menor.

A Apple é também a maior contribuinte dos EUA.

Graças a essa reforma tributária, a companhia anunciou em janeiro que investirá cerca de 30 bilhões de dólares nos Estados Unidos nos próximos cinco anos e criará 20 mil novos empregos, usando os rendimentos repatriados do país no exterior.

O comunicado divulgado pela Apple na quinta-feira não menciona nenhum auxílio estatal.

No início deste mês, a Amazon também anunciou uma expansão significativa, informando que construirá uma nova sede dividida entre Long Island City, em Nova York, e Crystal City, do outro lado do rio Potomac, em Washington, DC. Segundo a empresa, o investimento de 5 bilhões de dólares vai gerar 50 mil empregos.