Apple vai investir US$ 1 bilhão para construir novo campus na cidade de Austin

Felipe Demartini

A Apple anunciou nesta quinta-feira (13) que vai aplicar US$ 1 bilhão na construção de um novo campus na cidade de Austin, capital do estado norte-americano do Texas. O investimento faz parte de uma iniciativa ainda mais ampla que promete gerar 20 mil novos postos de trabalho ao longo dos próximos cinco anos e levar as operações da empresa a três novas cidades, além de expandir os negócios já existentes em pelo menos outras três.

Com a construção da nova unidade, a Apple deve se tornar a maior empregadora privada cidade de Austin. Serão 538,2 mil metros quadrados que abrigarão cinco mil funcionários em sua etapa inicial, com a possibilidade de expansão para até 15 mil de acordo com o crescimento das operações. O local fica a pouco mais de um quilômetro das instalações atuais da empresa na cidade e terá 200 mil m² de área verde preservada, além de funcionar completamente a partir de energias renováveis.

É um significativo aumento em um volume que, hoje, já é o maior em número de funcionários da Apple fora de sua base central, em Cupertino. Hoje, são 6,2 mil pessoas trabalhando para a Maçã na cidade texana e, com os planos, a empresa chega a quase o triplo desse número, com colaboradores dos setores de suporte técnico, engenharia, pesquisa e desenvolvimento, finanças, vendas e operações.

O campus atual da Apple, na cidade de Austin, no Texas (Imagem: Divulgação/Apple)

Enquanto isso, mais de mil outros empregos serão gerados em unidades já estabelecidas da companhia nas cidades de San Diego, Seattle e Culver City, além de “centenas” de outros em Nova York, Portland, Boston, Pittsburgh e Boulder. Ainda, os escritórios da empresa em Miami e Nashville serão reformados e passarão a ter o dobro do tamanho atual, também gerando mais empregos e abrigando novos funcionários e serviços.

Chama atenção, por exemplo, alguns investimentos feitos nesse sentido. O escritório de Culver City, nos arredores de Los Angeles, a meca do cinema, será focado, justamente, na produção de conteúdo para Hollywood. Além disso, US$ 10 bilhões serão colocados na expansão de data centers ao longo dos próximos cinco anos, sendo que metade desse montante será aplicado apenas até o final de 2019.

Em comunicado oficial, a empresa também afirma estar planejando a abertura de novas lojas e a chegada a novas cidades nas quais ainda não está presente, planos que, entretanto, não foram tão bem delimitados quanto os que envolvem o campus texano. Nesse sentido, a empresa fala apenas em inaugurar “várias” unidades e continuar gerando emprego em diferentes regiões dos EUA.

O foco na oferta de trabalho faz sentido, também, politicamente, vindo em um momento no qual o governo federal faz pressão sobre as empresas americanas para que gerem empregos dentro do próprio país. A Apple, como uma empresa que concentra muitos de seus esforços de produção e manufatura na China, justamente o atual adversário estrangeiro do país, está no olho desse furacão.

A união com as administrações públicas também tornou as coisas mais fáceis, com a isenção fiscal facilitando a abertura de empresas e unidades nos EUA. Do US$ 1 bilhão que serão investidos no novo campus de Austin, por exemplo, US$ 25 milhões virão dos cofres públicos texanos, com o prefeito da cidade, Steve Adler, afirmando que a Maçã tem sido parte central da economia e da sociedade do município ao longo das últimas duas décadas. Ele agradece o investimento na região e se une à promessa de geração de trabalho.

Fonte: Canaltech