Apresentador acusa PMs de racismo em SP ao ser abordado quando mexia no celular: ‘Se fosse um branco, loiro, não teriam apontado a arma’

·1 minuto de leitura

O youtuber Spartakus Santiago fez uma transmissão ao vivo no Instagram, na manhã desta segunda-feira, para denunciar a abordagem de dois policiais militares de São Paulo, que o acusaram de estar tendo uma “atitude suspeita” simplesmente por ter parado para mexer no celular por cerca de 10 minutos em um viaduto, no bairro Santana, na Zona Norte. De acordo com o apresentador da MTV, os agentes apontaram as armas em sua direção e mandaram ele colocar a mão na cabeça com agressividade.

Em sua fala, Spartakus afirmou que a ação dos agentes foi racista, alegando que “um jovem branco e loiro” nunca passaria pela situação. Os policiais mantiveram o apresentador no local até que fosse verificado se não havia alguma ocorrência criminal no nome dele. Por ter saído de casa apenas para fazer sua caminhada de rotina, o youtuber estava sem documentos no momento.

— Se você é negro, não adianta ser honesto, trabalhador, se você tem a cor de quem é marginalizado, você vai ser tratado como tal! Pode virar publicitário, youtuber, apresentador da MTV, o que for. Não adianta! Nunca seremos respeitados — escreveu.

Spartakus chegou a dizer que achou que iria morrer quando viu os agentes apontarem os revólveres em sua direção. Ainda na gravação, o youtuber contou que um dos militares disse que “não seria racista por também ser negro”. Em resposta, o youtuber pontuou que “negro também comete racismo” e que “policial negro também assasina gente preta”.

A abordagem policial durou cerca de 15 minutos. Ao final da gravação, um dos policiais afirmou que a ação foi apenas “uma abordagem de rotina” e liberou o apresentador.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos