Aprosoja reduz previsão de safra de soja do Brasil, vê alta de 'apenas' 3% ante 2020

·2 minuto de leitura
Colheita de soja em Correntina (BA)

SÃO PAULO (Reuters) - A produção de soja do Brasil deverá atingir 128,57 milhões de toneladas em 2020/21, estimou nesta sexta-feira a principal associação de agricultores do setor (Aprosoja), que antes de chuvas intensas que atrapalharam a colheita via uma safra de 129 milhões a 130 milhões de toneladas.

Caso essa projeção se confirme, a safra ainda será recorde, mas deverá ficar "apenas" 3% acima da temporada anterior, segundo nota da Aprosoja. A área plantada cresceu 4% ante o ciclo passado, para 38,44 milhões de hectares.

Os dados contrastam com previsões mais otimistas divulgadas nesta semana pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) e pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que estimaram a safra brasileira 2020/21 em 134 milhões de toneladas e 135,1 milhões de toneladas, respectivamente.

"O excesso de chuva está comprometendo a nossa produtividade. Com tanta água no campo, os grãos estão brotando nas vagens. Esses números da Aprosoja Brasil refletem com precisão o que está acontecendo na maior parte das lavouras brasileiras", afirmou o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), Bartolomeu Braz Pereira.

"O momento é de preocupação por parte do produtor."

Na semana passada, em entrevista à Reuters, ele já havia indicado o viés de baixa.

O comunicado da entidade ainda cita que o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja MT), Fernando Cadore, enviou um ofício à Defesa Civil estadual para informar sobre a situação de calamidade de 21 municípios do norte do Estado e pedir medidas nas localidades mais afetadas pelas chuvas intensas.

O município de Sorriso, no médio-norte de Mato Grosso, já decretou situação de emergência, acrescentou.

COLHEITA

A Aprosoja Brasil ainda disse que sua nova projeção de safra está em linha com levantamento da consultoria Pátria AgroNegócios.

Nesta sexta-feira, a consultoria informou que a colheita brasileira de soja tem ganhado ritmo, uma vez que grande parte do país volta a presenciar um padrão meteorológico normalizado.

"Ainda há áreas sofrendo com excessos de chuvas, porém reduziram drasticamente os relatos nestes últimos 7 dias", afirmou em nota. No entanto, o atraso em relação a temporadas anteriores permanece.

Até o atual momento, há 45,86% da safra colhida, contra 63,23% neste mesmo período de 2019/20 e uma média histórica de 61,11%.

A Pátria estima que algo em torno de 59 a 59,5 milhões de toneladas da soja brasileira já foi retirada dos campos do país.

Mais cedo, a consultoria reduziu sua projeção para a segunda safra de milho, citando que a produtividade do cereal será comprometida pelo plantio fora da janela ideal, em função do atraso da soja e das chuvas.

(Por Roberto Samora; reportagem adicional de Nayara Figueiredo)