Aprovação de Biden sobe para 40%, a maior em dois meses, segundo pesquisa Reuters/Ipsos

Presidente dos EUA, Joe Biden

Por Jason Lange

WASHINGTON (Reuters) - A aprovação do presidente norte-americano, Joe Biden, cresceu esta semana para o seu maior patamar desde o começo de junho, após uma série de vitórias legislativas, segundo pesquisa de opinião Reuters/Ipsos completada nesta terça-feira.

Segundo a pesquisa nacional de dois dias, 40% dos norte-americanos aprovam o trabalho de Biden, um índice de sucesso que é historicamente baixo para um presidente dos EUA.

Mas a atual curva ascendente da taxa de aprovação de Biden --com crescimento em cada uma das últimas três semanas-- pode atenuar a preocupação entre seus colegas democratas de que o partido está prestes a levar um surra nas eleições de meio de mandato, nas quais os republicanos esperam assumir o controle do Congresso.

No domingo, o Senado dos EUA aprovou um projeto de lei histórico para enfrentar as mudanças climáticas, baixar o preço dos remédios e aumentar os impostos corporativos. A medida apoiada por Biden, que deve passar na Câmara, foi uma grande vitória legislativa que os democratas esperam que intensifique o entusiasmo dos eleitores para novembro.

Biden sancionou outra lei importante nesta terça-feira para fornecer subsídios à produção de semicondutores norte-americanos e aumentar os esforços para tornar os EUA mais competitivos com a China em empreendimentos de ciência e tecnologia.

Segundo a pesquisa desta terça-feira, 78% das pessoas que responderam e se identificam como democratas aprovam Biden, ante 69% um mês atrás. Apenas 12% dos republicanos aprovaram Biden esta semana, um patamar praticamente estável nas últimas semanas.

A taxa de aprovação geral de Biden havia atingido o nível mais baixo de seu mandato --36%-- em maio e está abaixo de 50% desde agosto do ano passado, com os norte-americanos sofrendo com a alta inflação e uma economia ainda marcada pela crise da Covid-19.

As menores taxas de aprovação de Biden têm rivalizado com as menores do seu predecessor, Donald Trump, cuja popularidade chegou a 33% em dezembro de 2017.

A pesquisa Reuters/Ipsos é conduzida online em inglês por todo o país. A pesquisa mais recente reuniu respostas de 1.005 adultos, sendo 445 democratas e 357 republicanos. Tem um intervalo de credibilidade --medida de precisão-- de pontos percentuais.