Aprovada na USP, estudante que fez ‘homeschooling’ entra na Justiça para se matricular

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Elisa foi impedida de realizar sua matrícula na USP - Foto: Reprodução/TV Tem
Elisa foi impedida de realizar sua matrícula na USP - Foto: Reprodução/TV Tem
  • Elisa de Oliveira Flemer foi impedida de matricular-se na USP, mesmo após passar em quinto no curso de engenharia civil

  • A Justiça impediu a entrada da jovem na faculdade por ela ter feito "homeschooling"

  • A adolescente tomou a decisão de abandonar a escola e passou a estudar em casa em 2018

A jovem de Sorocaba-SP que foi proibida de matricular-se na USP, mesmo após ser aprovada, entrou na Justiça para exercer o direito de cursar a faculdade. Elisa de Oliveira Flemer, de 17 anos, passou em quinto no curso de engenharia civil, mas foi barrada por fazer homeschooling”.

De acordo com o G1, Elisa entrou com um pedido de liminar na última quarta-feira para que a USP aceite sua matrícula e ela não perca a vaga.

Leia também

Caso esta liminar não seja aprovada, a ação também requer que a jovem seja liberada para fazer o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) antes de completar 18 anos. O Encceja seria realizado no dia 21 de abril, mas, por conta da pandemia, foi adiado para 29 de agosto.

"Como eles não aceitam o autodidata em home, em casa, ela entraria na universidade concluindo o ensino médio pelo o Encceja. Só que a Justiça entendeu totalmente diferente, achou que a Elisa queria, de qualquer forma, entrar só por ter cursado em casa, em home", declarou ao site o advogado da jovem, Telêmaco Marrace.

Adolescente acostumou-se a estudar em casa desde 2018 - Foto: Reprodução/TV Tem
Adolescente acostumou-se a estudar em casa desde 2018 - Foto: Reprodução/TV Tem

A responsável por barrar a entrada de Elisa na faculdade foi a juíza Erna Tecla Maria. Na decisão, ela considerou que o “homeschooling” não está previsto na legislação e, por isso, não está apto a certificar um estudante.

Além disso, Erna apontou que a adolescente não apresentou documentos que comprovem "altas habilidades e maturidade mental para frequentar o ensino superior em detrimento da educação básica regular".

Jovem recebeu propostas de emprego

Elisa estuda exclusivamente em casa desde 2018, quando estava no primeiro ano do ensino médio. A jovem dedica seis horas diárias aos livros, começou a prestar vestibulares aos 16 anos e, desde então, acumulou aprovações em diversas universidades.

A decisão da Justiça de impedir sua entrada na USP repercutiu nas últimas semanas e fez com que a adolescente passasse a ser procurada tanto por pessoas oferecendo-lhe emprego, quanto por jovens querendo mais informações sobre o homeschooling.

Elisa explicou que considera a possibilidade de adquirir experiência profissional por meio de um emprego, mas que seu principal objetivo no momento é realizar o sonho de cursar uma faculdade.