Arábia Saudita reitera apoio à solução política no Iêmen após discurso de Biden

·2 minuto de leitura
Uma força conjunta de especialistas militares sudaneses-iemenitas apoiada pela Arábia Saudita remove e desativa cerca de 5.000 minas terrestres em 30 de janeiro de 2021, em Midi, no Iêmen

A Arábia Saudita reiterou nesta quinta-feira (4) seu apoio a "uma solução política abrangente" no Iêmen, informou a agência estatal, depois que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou o fim do "apoio" e da "venda de armas" à coalizão militar liderada por Riade naquele país.

"O reino afirmou seu apoio a uma solução política abrangente para a crise do Iêmen e saúda o fato de os Estados Unidos enfatizarem a importância dos esforços diplomáticos" para resolvê-lo, disse a agência de notícias saudita SPA.

A Arábia Saudita também aplaudiu "o compromisso [de Biden] de cooperar com o reino para defender sua soberania e lidar com as ameaças contra ele", acrescentou.

O comunicado não menciona a decisão dos Estados Unidos de deixar de apoiar a coalizão militar liderada por Riade, que há anos realiza operações ofensivas no Iêmen contra os rebeldes houthis.

Em seu primeiro discurso de política externa desde sua posse, Biden pediu nesta quinta-feira o "fim" da guerra no Iêmen e anunciou que os Estados Unidos estão encerrando o "apoio" e as "vendas de armas" à coalizão.

“Redobramos nossos esforços diplomáticos para acabar com a guerra no Iêmen, uma guerra que gerou uma catástrofe humanitária e estratégica”, declarou Biden, que reiterou que “essa guerra deve parar”.

O vice-ministro da Defesa saudita, o príncipe Khaled bin Salman, comemorou o anúncio de Biden no Twitter.

"Saudamos o compromisso do presidente Biden de trabalhar com amigos e aliados (da América) para resolver conflitos e reagir aos ataques do Irã e de seus líderes na região", escreveu o príncipe.

"Esperamos continuar a trabalhar com nossos parceiros dos Estados Unidos para melhorar a situação humanitária e encontrar uma solução para a crise no Iêmen", acrescentou.

O príncipe também saudou a nomeação como enviado especial ao Iêmen de um diplomata experiente como Timothy Lenderking.

O Iêmen tem sido palco de conflito desde que os houthis assumiram o controle da capital Sanaa em 2014 e expandiram seu poder em grande parte do país.

A Arábia Saudita lidera uma intervenção militar contra os houthis no Iêmen desde 2015, mas o conflito não dá sinais de resolução.

Os rebeldes houthis do Iêmen atacaram a Arábia Saudita várias vezes com mísseis e drônes. Riade acusou o Irã, seu arqui-inimigo na região, de apoiar os houthis, fornecendo-lhes armas, algo que Teerã nega.

Dezenas de milhares de pessoas, a maioria civis, morreram e milhões tiveram que deixar suas casas em decorrência desse conflito, que a ONU descreveu como a pior catástrofe humanitária da atualidade.

bur-ac/fjb/avz/jvb-af/am