Araújo pode deixar ministério em possível reforma ministerial, diz Mourão em entrevista a rádio

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Mourão particpa de cerimônia em Brasília
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Jair Bolsonaro
    38.º presidente do Brasil
  • Ernesto Araújo
    Diplomata brasileiro, ex-ministro das Relações Exteriores do Brasil

(Reuters) - O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pode deixar o cargo em uma eventual reforma ministerial após as eleições para os comandos da Câmara dos Deputados e do Senado, disse o vice-presidente Hamilton Mourão em entrevista nesta quarta-feira à Rádio Bandeirantes.

De acordo com Mourão, que afirmou na entrevista que gostaria de participar mais do governo do presidente Jair Bolsonaro, as mudanças no primeiro escalão podem ocorrer para reacomodar as forças políticas após a escolha das Mesas Diretoras das duas Casas legislativas.

"Acho que poderá ocorrer uma reorganização do governo para que seja acomodada a nova composição política que emergir desse processo. Talvez alguns ministros sejam trocados, entre eles, o próprio Ministério das Relações Exteriores", disse o vice à emissora.

Rumores sobre uma possível substituição de Ernesto Araújo no comando do Itamaraty cresceram em Brasília, mais uma vez, nos últimos dias, depois das dificuldades iniciais do governo de liberar vacinas compradas na Índia e os insumos fabricados na China. O chanceler foi apontado como um dos responsáveis pelos problemas diplomáticos que poderiam interferir nas negociações com os dois países.

No Planalto, no entanto, não se fala na saída do chanceler, ao menos por enquanto. Apesar de extremamente criticado, Araújo é visto como um ministro fiel ao governo e que mantém a linha da política externa traçada pelo próprio Bolsonaro, mesmo que essa linha não agrade todo o governo e muito menos seus opositores.

IMPEACHMENT

Mourão também comentou sobre eventual processo de impeachment contra Bolsonaro, em um momento em que há mais de 60 pedidos neste sentido já protocolados na Câmara dos Deputados, e fez a avaliação que o movimento pela destituição do presidente perderá força conforme a vacinação contra a Covid-19 ganhar tração.

"A minha visão é que no presente momento não estão dadas as condições para o impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Há muito ruído, muita gritaria, fruto do desconhecimento sobre a questão das vacinas. A partir do momento que o processo de vacinação avançar, essa gritaria vai diminuir", avaliou.

Mourão se declarou ainda favorável à recriação do auxílio emergencial para ajudar os mais vulneráveis durante a pandemia, mas ponderou que é necessário cortar outras despesas para abrir espaço para o pagamento do benefício. O vice afirmou que o Brasil vive uma "crise fiscal séria" e alertou que a dívida pública não pode se tornar "ainda mais impagável".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos