Aras arquiva pedido de Bolsonaro para investigar Alexandre de Moraes

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 18.08.2021 - O procurador-geral da República, Augusto Aras. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 18.08.2021 - O procurador-geral da República, Augusto Aras. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

JOSÉ MARQUES

BRASÍLIA

Arquivamento foi decidido, em procedimento sob sigilo, para que não haja duplicidade com ação do STF

(FOLHAPRESS) Em 26/05/2022 18h28

O procurador-geral da República, Augusto Aras, arquivou na noite desta quinta-feira (26) a representação apresentada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) contra o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

O argumento de Aras, segundo a Folha apurou com interlocutor da PGR, é de que o arquivamento foi decidido para que não haja duplicidade, já que existe uma ação idêntica no STF.

O procedimento está sob sigilo e o seu teor não foi divulgado pela Procuradoria-Geral da República.

O procurador-geral da República, Augusto Aras Augusto Aras - 8.set.21/STF **** Tanto Bolsonaro como Moraes foram oficiados sobre o arquivamento na tarde desta quinta.

A iniciativa de Bolsonaro, que ingressou com o pedido à PGR no último dia 18, foi mais um capítulo da ofensiva do presidente contra a cúpula do Judiciário. Moraes é relator de inquéritos que têm como alvo o mandatário e seus aliados.

Bolsonaro havia inicialmente entrado no próprio Supremo com ação contra Moraes, sob alegação de abuso de autoridade.

À época, em mensagem enviada a aliados por um aplicativo, o chefe do Executivo havia afirmado que adotou a medida devido à postura do magistrado de "desrespeito à Constituição e ao desprezo aos direitos e garantias fundamentais".

Para embasar as críticas ao ministro, o presidente citou, no texto que enviou a correligionários, a "injustificada investigação no inquérito das fake news, quer pelo seu exagerado prazo quer pela ausência de fato ilícito".

No dia 18, o ministro Dias Toffoli, que se tornou o relator da ação, negou dar prosseguimento ao caso.

"Os fatos descritos na 'notícia-crime' não trazem indícios, ainda que mínimos, de materialidade delitiva, não havendo nenhuma possibilidade de enquadrar as condutas imputadas em qualquer das figuras típicas apontadas", disse Toffoli na decisão.

O simples fato de o ministro ser relator do inquérito, disse Toffoli, "não é motivo para se concluir que teria algum interesse específico, tratando-se de regular exercício da jurisdição".

Galeria O presidente Jair Bolsonaro em 2022 Alguns dos principais momentos do presidente no quarto ano de mandato https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1721076986192168-o-presidente-jair-bolsonaro-em-2021 *** Bolsonaro recorreu da decisão de Toffoli no dia 24. Sua defesa argumentou que o ministro deveria ter enviado a ação contra Moraes para análise da PGR antes de decidir sobre o que foi relatado.

Ele pediu que Toffoli reconsiderasse sua decisão ou, caso o ministro não se retrate, que o plenário do STF decida se irá "dar seguimento ao protocolo" da ação, com o envio dos autos à PGR.

De acordo com o recurso de Bolsonaro, assinado pelo advogado Eduardo Magalhães, o Supremo "tem entendido que não cabe ao ministro relator de tal expediente a tomada de qualquer providência" ao receber essa espécie de "denúncia" feita pelo presidente, chamada "notícia-crime", "mas a ele incube tão somente a obrigação de enviar tal material para análise da Procuradoria-Geral da República".

Toffoli ainda não se manifestou a respeito desse recurso.

As ofensivas de Bolsonaro contra Moraes, no campo político e jurídico, continuaram, segundo o entorno do presidente, porque isso agrega sua base de apoiadores e funciona como cortina de fumaça para problemas que o governo não tem conseguido contornar, como a alta inflação.

Bolsonaro, de acordo com esses interlocutores do chefe do Executivo, deve seguir afrontando Moraes "dentro das quatro linhas da Constituição", como gosta de dizer o próprio presidente. Por isso, segundo um interlocutor, que ele não publicou em suas redes sociais, nem seus filhos, como de hábito.

Galeria Este é Alexandre de Moraes, do STF Nomeado pelo ex-presidente Michel Temer, é ministro do STF desde 22 de março de 2017 https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1643515293006737-este-e-alexandre-de-moraes ***

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos