Aras critica sistema de lista tríplice e afirma que não se omitiu na defesa do sistema eleitoral

·1 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF, 24.08.2021 – AUGUSTO-ARAS - O PGR Augusto Aras chega ao senado para sabatina na CCJ do Senado Federal, nesta terça-feira 24.  (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 24.08.2021 – AUGUSTO-ARAS - O PGR Augusto Aras chega ao senado para sabatina na CCJ do Senado Federal, nesta terça-feira 24. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O procurador-geral da República, Augusto Aras, criticou o sistema de lista tríplice para a indicação dos chefes da PGR (Procuradoria-Geral da República), argumentando que ele possibilitava "graves inconsistências".

Aras foi indicado em 2019 para o cargo pelo presidente Jair Bolsonaro, que quebrou a tradição de indicar um dos membros da lista tríplice elaborada pelo Ministério Público Federal.

"O sistema utilizado para as eleições internas, inclusive, para a lista tríplice ao cargo de PGR, possibilitava graves inconsistências e era totalmente inauditável", disse, ao citar problemas que diz ter encontrado ao assumir o cargo.

Aras também foi questionado sobre a proposta do voto impresso, uma das principais bandeiras do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), derrotada na Câmara. Na resposta, ele afirmou que não se omitiu sobre o tema e destacou que a vice-procuradoria eleitoral se manifestou pela "idoneidade" do sistema atual.

"O sistema eleitoral foi questionado nesse período. Todavia, a PGR, que tem 74 membros, dos quais o vice-procurador eleitoral é um subprocurador da República, e este colega tem ampla independência, manifestou-se claramente pela idoneidade do sistema de votação eleitoral, ante a falta de comprovação de fraudes", lembrou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos