Aras descarta em entrevista novo mandato na PGR e diz que não presumirá culpa de Bolsonaro

SÃO PAULO (Reuters) - O procurador-geral da República, Augusto Aras, descartou em entrevista à CNN Brasil na noite de quinta-feira cumprir um novo mandato à frente da Procuradoria-Geral da República quando o atual terminar em setembro e afirmou que não irá presumir culpa do ex-presidente Jair Bolsonaro nas investigações de que é alvo no Supremo Tribunal Federal (STF).

Aras, indicado duas vezes por Bolsonaro ao maior posto do Ministério Público, se defendeu de críticas de que é leniente e que seria um "engavetador-geral da República", disse que a PGR deverá apresentar nos próximos dias 200 denúncias contra suspeitos de envolvimento nos ataques às sedes dos Três Poderes e criticou decisões do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

"O nosso grande problema é que, neste momento, o Ministério Público Federal, junto com o Ministério Público do Distrito Federal, está atento e preocupado em avançar nas investigações e nas ações penais contra aqueles que depredaram o patrimônio público, instigaram um golpe de Estado, atentaram contra o Estado Democrático de Direito, incitaram movimentos que atentaram contra a liberdade democrática no seu sentido mais puro, que é a convicção de cada eleitor, de respeitar o resultado das urnas", disse à emissora.

"Já oferecemos 45 ou 46 denúncias, ações penais, fora as investigações, temos mais 200 denúncias a serem apresentadas nos próximos dias", acrescentou.

No dia 11 de janeiro, dois dias após os ataques aos Três Poderes, Aras criou na PGR um Grupo Estratégico de Combate aos Atos Antidemocráticos. No entanto, manifestações golpistas --incluindo um ataque à sede da Polícia Federal em Brasília e bloqueios em estradas-- vinham acontecendo desde o segundo turno das eleições, no final de outubro.

À CNN Brasil, Aras também disse que se dedicará à vida privada após o término de seu mandato e evitou falar em responsabilidade de Bolsonaro nas investigações de que é alvo.

"A nova gestão deve ser da minha vida privada, com minha família, com meus amigos e com todos que deixei de conviver nos últimos anos, que é extremamente para mim e para os meus", disse.

Caberá ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva indicar o sucessor de Aras no comando da PGR para um mandato de dois anos. O petista não se comprometeu a indicar um nome de uma lista tríplice eleita pela categoria. Durante os oito anos que foi presidente Lula escolheu o mais votado na eleição interna.

Indagado se Bolsonaro será investigado pela PGR, Aras respondeu: "Ele vai ser investigado no Supremo sobre o conjunto de atos que podem ser desde a incitação até mesmo o financiamento dos atos, desde que isso venha na investigação. Nós aqui não podemos presumir culpa de ninguém."

(Por Eduardo Simões)