Aras diz que discordâncias devem ser tratadas com civismo e no processo legal

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Procurador-geral da República, Augusto Aras
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA (Reuters) - Um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro ter atacado duramente o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e dito que não cumprirá mais decisões do magistrado, o procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou nesta quarta-feira que eventuais discordâncias, sejam políticas ou processuais, devem ser tratadas com civismo e respeitando o devido processo legal.

Em pronunciamento no início da sessão do plenário do STF, sem citar nominalmente Bolsonaro, Aras destacou que a independência entre os Poderes pressupõe equilíbrio.

O procurador-geral da República avaliou que o Brasil acompanhou na terça-feira uma festa cívica, com manifestações pacíficas, ao comentar os atos a favor e contrários ao presidente.

Aras foi recentemente indicado para um segundo mandato de dois anos à frente da PGR por Bolsonaro, tendo tido seu nome confirmado pelo Senado Federal.

(Reportagem de Ricardo Brito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos