Aras diz que PGR tem sido sabotada com pedidos para investigar autoridades

*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  18-08-2021, 12h00: O procurador Geral da República (PGR) Augusto Aras durante entrevista à Folha em seu Gabinete, na sede da PGR em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 18-08-2021, 12h00: O procurador Geral da República (PGR) Augusto Aras durante entrevista à Folha em seu Gabinete, na sede da PGR em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O procurador-geral Augusto Aras afirmou nesta sexta-feira (2) que a PGR (Procuradoria-Geral da República) passou a ser sabotada ao ser o destino de centenas de representações para que autoridades sejam investigadas.

Sem citar o presidente Jair Bolsonaro (PL), atualmente o principal alvo dos pedidos de apuração que chegam ao órgão, o chefe do Ministério Público Federal afirmou que os documentos são baseados em "meras notícias de jornais previamente plantadas".

"Esta Procuradoria passou a ser literalmente sabotada, e eu digo sabotada mesmo, com centenas e centenas de representações, notícias-crimes, baseadas em meras notícias de jornais previamente plantadas", afirmou procurador-geral.

As declarações fazem parte de um vídeo publicado no canal do PGR no Youtube.

"Isso é uma sabotagem ao nosso trabalho porque cada representação que chega a esta instituição é levada a análise de um servidor que faz uma triagem acerca da idoneidade da autoria, do conteúdo, das provas. Ela é levada depois a um procurador da República e, depois, ao PGR."

E prosseguiu: "Tudo isso é perda de tempo, perda de dinheiro público. Tudo isso é parte de uma estratégia para que esse procurador continue investigando as verdadeiras organizações criminosas que existem neste país."