Aras diz que STF tem de considerar tempo de ocupações e legislação da época sobre marco das terras indígenas

·1 minuto de leitura
Procurador-geral da República, Augusto Aras

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou nesta terça-feira que o Supremo Tribunal Federal (STF) tem de levar em consideração o tempo das ocupações e a legislação da época no julgamento previsto para começar na quarta sobre o marco temporal das terras indígenas.

"A minha percepção é que o marco temporal --conforme o leading case da Raposa Serra do Sol-- tem que levar em consideração o tempo das ocupações e a legislação da época", disse ele, durante sabatina para sua recondução na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Segundo Aras, a análise do caso pelo Supremo será um momento importante ao citar que muitas comunidades indígenas não estão mais nas terras alvo de disputas. Ele disse que o STF poderá exigir a análise concreta de processos de demarcação caso a caso.

Esse processo tem sido alvo de preocupação de representantes de comunidades indígenas, pela possibilidade de redução de terras onde vivem.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos