Arbitragem: uma carreira promissora

Extra
·2 minuto de leitura

Quando se fala em arbitragem, todo mundo pensa que se trata de futebol. A maioria desconhece a função do árbitro que, num processo de arbitragem, exerce o papel de um juiz para tentar solucionar conflitos sem a pessoa precisar entrar na Justiça. Mas o que fazer para exercer essa atividade extrajudicial? A boa notícia é que qualquer pessoa pode ser um árbitro. E, em tempos de pandemia, é uma atividade necessária que precisa de profissionais de todas as área de atuação para decidir sobre vários temas.

Dá para ganhar dinheiro com a arbitragem. Estudantes ou profissionais de qualquer área podem desempenhar a função, mas a profissionalização é essencial.

Recomenda-se um curso específico na área. Os candidatos devem ter acima de 18 anos e estar cursando ou ter concluído o ensino superior. Para a especialista e fundadora da Câmara Equilibre Mediação de Conflitos, Ana Esteves Kaiuca, o futuro está em construção, e nesse caminho o mercado de trabalho já se abriu para novas possibilidades, que vão misturar diversas áreas do conhecimento. A arbitragem é uma delas, uma modalidade acessível a todos.

A decisão do árbitro abrevia a solução de forma segura, justa, rápida e técnica. Tem a força de uma sentença judicial e não admite recurso. Atualmente, 99% dos casos são resolvidos via arbitragem, o que garante mais economia para o seu bolso, que deixa de gastar com custas de longos processos.

Em um ciclo de palestras promovido pelo CIEE/Rio, a arbitragem foi um dos temas centrais das discussões sobre os novos caminhos profissionais e o novo mundo do trabalho. Segundo o especialista em mediação e arbitragem Adolfo Braga Neto, a resolução de conflitos fora da Justiça tem inúmeras vantagens.

Como é conduzida por uma Câmara especializada, é uma alternativa mais rápida e eficiente de resolver litígios onde a decisão do juiz é soberana.

—Um processo judicial que levaria anos na Justiça comum pode durar, no máximo, 18 meses e, assim, desafogar o Judiciário. A eficácia da arbitragem é comprovada não só pela agilidade dos resultados, mas também pelo aumento da demanda pela atividade profissional, que tem se mostrado bastante promissora. Vejo árbitros cada vez mais jovens, e é importante ressaltar que o futuro árbitro deve estudar (bastante) e se aprimorar porque esse é o diferencial do mercado — afirma Braga Neto.

Confira algumas competências importantes, de acordo com os especialistas para ser um árbitro:

As Câmaras Arbitrais funcionam em todo o Brasil. A Câmara Equilibre Gestão de Conflitos está localizada no Rio de Janeiro. Mais informações pelo e-mail contato@equilibregc.com.br ou pelo WhatsApp (21) 98864-1913.