Argentina aprova a vacina do laboratório indiano Serum Institute em caráter de emergência

·2 minuto de leitura
O ministro da Saúde da Argentina, Ginés González García em Buenos Aires em 10 de dezembro de 2020

O organismo de controle de medicamentos da Argentina aprovou o uso da vacina contra a covid-19 Covishield, do laboratório indiano Serum Institute, informa o Diário Oficial desta terça-feira.

A vacia é elaborada com base na transferência de tecnologia do laboratório AstraZeneca e da Universidade de Oxford, cujo imunizante foi aprovado na Argentina em 30 de dezembro.

A autorização, com caráter de emergência, tem a assinatura do ministro da Saúde, Ginés González García.

A Argentina concedeu a aprovação para a vacina Sputnik V, do laboratório russo Gamaleya, em 23 de dezembro e ampliou em janeiro sua aplicação para pessoas com mais de 60 anos.

A Sputnik V é até agora a única vacina que o país sul-americano tem para sua campanha de imunização voluntária, iniciada em 29 de dezembro.

Ao contrário da vacina russa, a Covishield pode ser armazenada em temperaturas padrão.

O decreto destaca que a Covishield "resulta do desenvolvimento do processo de produção realizado pelo Serum Institute of India em colaboração com a Universidade de Oxford e a AstraZeneca no contexto de uma transferência de tecnologia".

Neste caso, a aprovação se concentrou em "determinar que a transferência (de tecnologia) não impacta na qualidade, segurança e eficácia" do produto que já foi aprovado por 12 países, além da autoridade de saúde da Índia.

O decreto indica que "não foram apresentados eventos adversos graves nem foram identificadas diferenças significativas na eficácia observada nos diferentes grupos etários que participaram dos testes clínicos".

A Argentina contabiliza desde março do ano passado 1.985.484 casos e 49.398 mortes por covid-19, em uma população de 44 milhões de pessoas.

O país recebeu até o momento 820.000 doses da Sputnik V.

O governo tem contratos de fornecimento de vacinas contra a covid-19 que alcançam 62 milhões de doses de diversos laboratórios, anunciou o ministro Ginés González recentemente.

O ministro explicou que a Argentina tem acordos para receber 30 milhões de doses da Sputnik V, 23,6 milhões da AstraZeneca e nove milhões por meio do mecanismo Covax, uma iniciativa internacional para garantir uma distribuição justa dos recursos contra a covid-19.

Com os números, Ginés Gonzáles afirmou que o governo espera imunizar toda a população argentina com mais de 18 anos.

sa/gma/fp