Argentina espera iniciar vacinação contra covid-19 até o fim do ano

·1 minuto de leitura
O presidente argentino Alberto Fernandez anuncia uma nova fase do isolamento social em pronunciamento feito na residência presidencial em Olivos, Buenos Aires, Argentina, em 6 de novembro de 2020, em foto divulgada pela Presidência da Argentina
O presidente argentino Alberto Fernandez anuncia uma nova fase do isolamento social em pronunciamento feito na residência presidencial em Olivos, Buenos Aires, Argentina, em 6 de novembro de 2020, em foto divulgada pela Presidência da Argentina

O presidente argentino, Alberto Fernández, espera ter uma vacina contra a covid-19 até o final deste ano, após chegar a um acordo com a Rússia que pode permitir a imunização de 10 milhões dos seus 44 milhões de habitantes.

"Queremos que os argentinos possam contar com uma vacina o mais rápido possível", disse Fernández nesta sexta-feira (6) em pronunciamento realizado na residência presidencial de Olivos para anunciar a manutenção das restrições devido à pandemia em 10 províncias afetadas, além da suspensão das barreiras de mobilidade na capital e arredores.

Fernández também confirmou que o fornecimento da vacina Sputnik V foi um dos pontos de uma conversa por telefone que teve nesta sexta-feira com o presidente russo Vladimir Putin.

Conforme ele destacou, os dois países deram "passos importantes" para chegar a um acordo de fornecimento direto, ao mesmo tempo em que acompanham de perto a evolução dos testes na Rússia "para que, quando chegar a hora, a vacina seja aprovada rapidamente".

Esta vacina, que está na fase 3 dos estudos, prevê um esquema de vacinação de duas doses com 21 dias de intervalo.

A Argentina tem mais de 1,2 milhão de infecções e quase 33 mil mortes, de acordo com a contagem da AFP com base em números oficiais.

sa/nn/llu/ic