Argentina recebe mais de um milhão de doses das vacinas AstraZeneca e Sputnik V

·2 minuto de leitura
Trabalhador de saúde manipula teste contra a covid-19 em um hospital na Argentina, em 13 de abril de 2021

A Argentina recebeu 657.600 doses da vacina AstraZeneca de Amsterdã nesta quarta-feira (26) por meio do mecanismo Covax, em um momento em que o país atravessa o pior período da pandemia com mais de 75.500 mortes por covid-19, informou o governo em nota.

Nesta quarta-feira, também chegou de Moscou uma nova remessa de 470.035 doses da vacina Sputnik V do laboratório Gamaleya, com a qual a Argentina superou as 15 milhões de doses recebidas.

Desde o início da campanha de vacinação, em 29 de dezembro, já foram aplicadas cerca de 11,46 milhões de doses, das quais 8,9 milhões de pessoas foram imunizadas com uma dose e 2,5 milhões com as duas aplicações.

A Argentina vive um momento crítico de saúde com 75.588 mortes por covid-19 e mais de 3,6 milhões de infecções em sua população de 45 milhões de habitantes, números que colocam o país entre os de mais contágios por milhão de habitantes da região.

Nesta quarta-feira, houve 35.399 novas infecções e 532 mortes por covid, informou o Ministério da Saúde.

A aceleração dos casos e o alto número de mortes diárias por covid, que ultrapassa a média de 400 nas últimas semanas, levaram o governo a adotar um confinamento de nove dias desde sábado para interromper a curva dos casos.

A Argentina recebeu nesta segunda-feira um carregamento com 843 mil vacinas dos Estados Unidos que representam o primeiro lote de imunizantes AstraZeneca-Oxford feito com princípio ativo produzido na Argentina, de um total de 22,4 milhões compradas.

A Argentina e o México concordaram em produzir em conjunto cerca de 150 milhões de vacinas do laboratório da AstraZeneca, com ingredientes ativos fabricados em Buenos Aires. Mas sua produção sofreu atrasos significativos devido à escassez de suprimentos para que o imunizante seja colocado nos frascos no México.

Na terça-feira, o presidente Alberto Fernández e seu homólogo mexicano, Andrés López Obrador, se comunicaram por videoconferência para comemorar o início dos envios.

“Sinto que México, Argentina e a América Latina estão sendo mais independentes porque este acordo que fizemos permitirá que México e Argentina se unam ao esforço de vacinar o México, a Argentina e todos os irmãos latino-americanos”, disse Fernández.

O governo argentino anunciou que espera a chegada de 4 milhões de doses do México nos próximos dias.

sa/gm/ls/mps/am