Argentina recua e volta a barrar a entrada de brasileiros até 8 de janeiro

·2 minuto de leitura
The empty hall of the  Retiro train Station, on April 1, 2020, in Buenos Aires, Argentina. The Argentine government extended the forced lock down to help contain the spread of the new coronavirus until easter (Photo by Mario De Fina/NurPhoto via Getty Images)
The empty hall of the Retiro train Station, on April 1, 2020, in Buenos Aires, Argentina. The Argentine government extended the forced lock down to help contain the spread of the new coronavirus until easter (Photo by Mario De Fina/NurPhoto via Getty Images)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo argentino anunciou mudanças nos procedimentos para a entrada de visitantes estrangeiros e de argentinos que tenham viajado ao exterior. A partir desta sexta (25), os cidadãos de nações limítrofes -incluindo brasileiros- não podem mais ingressar no país.

A mudança foi motivada pela identificação de mutações do vírus Sars-Cov-2, causador da Covid-19, e pelo aumento no número de casos da doença.

A Argentina havia voltado a permitir a entrada de estrangeiros de países vizinhos (Brasil, Chile, Uruguai, Bolívia e Paraguai) no final de outubro, como um teste para receber turistas internacionais novamente. Os visitantes só poderiam circular pela região de Buenos Aires. A partir desta sexta, o teste está suspenso.

Leia também

Outra mudança é que agora todos os argentinos que regressarem ao país precisam apresentar um teste negativo para Covid do tipo RT-PCR, feito com até 72 horas de antecedência, além de cumprir uma quarentena de sete dias. Antes, cidadãos argentinos poderiam optar apenas pela quarentena em vez de apresentar o exame, que já era exigido de estrangeiros.

As novas regras valem pelo menos até o dia 8 de janeiro, quando serão revistas.

Uma das companhias com voos do Brasil para a Argentina, a Latam informou que os passageiros "devem consultar antes de seu voo as constantes atualizações das exigências do país de destino da sua viagem, observando as regras e restrições para o seu embarque", e que mantém seu site atualizado com essas informações, para consulta.

Os passageiros da companhia afetados pela medida do governo argentino podem optar por remarcar a data do voo, sem multa ou diferença tarifária, pedir um reembolso integral da passagem ou mudar a origem ou destino do seu bilhete —nesse caso, podem ser preciso arcar com a diferença de tarifa.