Argentina tem maior alta de juros desde 2019 com escalada de inflação

Por Jorge Otaola

BUENOS AIRES (Reuters) - O banco central da Argentina elevou sua taxa básica de juros nesta quinta-feira, a maior alta em três anos, na esteira do amplo aumento de juros pelo Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, e enquanto o país sul-americano combate uma inflação altíssima, em cerca de mais de 60%.

O BC elevou a taxa de referência Leliq em 300 pontos-base, para 52%, o aumento mais acentuado desde 2019, citando a crescente percepção de risco financeiro, a disparada dos preços globais e a necessidade de estimular a economia com o fortemente atingido peso local.

O movimento pela Argentina, que sofre um dos mais altos níveis de inflação do mundo, ocorre à medida que os bancos centrais brasileiro e da Europa têm elevado os juros recentemente visando combater a alta dos preços.

“A alta nos juros age principalmente incentivando a economia em pesos", disse o banco central argentino, acrescentando que continuará calibrando a política monetária conforme a inflação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos