Armênia anuncia trégua após novos confrontos com Azerbaijão

Por Gabrielle Tétrault-Farber

TBILIS (Reuters) - Uma autoridade graduada da Armênia disse na noite de quarta-feira que uma trégua foi acertada com o Azerbaijão após dois dias de violência ligada a uma disputa de décadas entre os ex-estados soviéticos sobre o território de Nagorno-Karabakh.

A Rússia é a força diplomática proeminente na região, onde mantém 2 mil forças de paz. Moscou intermediou o acordo que encerrou os combates de 2020, apelidados de segunda guerra de Karabakh, em que centenas morreram.

De acordo com agências de notícias russas, Armen Grigoryan, secretário do Conselho de Segurança da Armênia, disse à televisão armênia: "Graças ao envolvimento da comunidade internacional, foi alcançado um acordo de cessar-fogo".

O anúncio dizia que a trégua estava em vigor há várias horas. O Ministério da Defesa da Armênia havia dito anteriormente que os tiroteios nas áreas de fronteira tinham parado.

Cada lado culpa o outro pelos novos confrontos.

Grigory Karasin, um membro sênior da câmara alta do parlamento russo, disse à agência de notícias RIA que a trégua foi conquistada em grande parte por meio de esforços diplomáticos russos.

O líder do Kremlin, Vladimir Putin, pediu calma nesta semana depois que a violência eclodiu e outros países pediram moderação de ambos os lados.

Armênia e Azerbaijão lutam há décadas por Nagorno-Karabakh, um enclave montanhoso reconhecido como parte do Azerbaijão enquanto abriga uma grande população armênia.

Um conflito completo arriscaria arrastar a Rússia e a Turquia e desestabilizaria um importante corredor para gasodutos, assim como a guerra na Ucrânia interrompe o fornecimento de energia.

(Reportagem de Nailia Bagirova em Bacu, Gabrielle Tétrault-Farber e Jake Cordell em Tbilisi, David Ljunggren em Ottawa, Ece Toksabay e Ali Kucukgocmen em Ancara e Lidia Kelly em Melbourne)