Arrecadação em setembro foi de R$149,1 bi, a maior para o mês desde 2000

·1 min de leitura

BRASÍLIA — A Receita Federal divulgou nesta terça-feira que a arrecadação de impostos em setembro foi de R$ 149,1 bilhões, a maior para o mês desde 2000.

Na comparação com setembro de 2020, o resultado é 12,9% maior com os valores reajustados pela inflação.

No acumulado do ano, a Receita já arrecadou R$ 1,38 trilhão, o melhor resultado para o período em 21 anos. Na comparação com os primeiros nove meses de 2020, a alta é de 22,3% já reajustada pela inflação.

No ano passado, a arrecadação foi menor por conta do adiamento do pagamento de alguns impostos e da atividade econômica reprimida por conta da pandemia.

Segundo a Receita, o resultado é explicado por fatores não recorrentes, como recolhimentos relevantes de R$ 31 bilhões no acumulado do ano de Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vem ressaltando nos últimos meses que a arrecadação de impostos está registrando altas históricas. Na segunda-feira, ele adiantou que os dados mostrariam um recorde.

Na mesma oportunidade, ele chegou a dizer que a “arrecadação extraordinária" paga com folga o aumento do Auxílio Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos