Arthur Lira e Braga Netto negam “ameaça de golpe” do ministro da Defesa

·2 minuto de leitura
Brazil's new Lower House President Arthur Lira is seen at the House of Representatives in Brasilia, Brazil February 2, 2021. REUTERS/Adriano Machado
Arthur Lira negou que tenha recebido qualquer ameaça de golpe do ministro da Defesa, Walter Braga Netto (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
  • Presidente da Câmara, Arthur Lira, negou que tenha recebido ameaça de Braga Netto

  • Segundo Estadão, ministro da Defesa teria dito que sem voto impresso, não haveria eleição em 2022

  • Braga Netto, ao chegar no ministério da Defesa, afirmou que a notícia era uma "invenção"

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), negou que tenha recebido uma ameaça de golpe do ministro da Defesa, general Walter Braga Netto. A declaração foi dada à jornalista Ana Flor, do G1.

Lira informou que vai divulgar uma nota sobre o assunto, na qual negará a informação trazida pelo O Estado de S. Paulo. Segundo o jornal, Braga Netto teria dito a Lira que sem voto impresso, não haveria eleições em 2022.

Leia também:

Na reportagem divulgada pelo Estadão, a informação é de que Lira conversou com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e houve um acordo para que o ocorrido não fosse divulgado, por se tratar de um assunto “delicado”.

A informação também foi negada por Braga Netto. Ao chegar no ministério da Defesa, ele foi questionado por jornalistas e afirmou que se trata de uma “invenção”.

Entenda a suposta “ameaça de golpe”

Segundo o Estadão, o recado foi enviado por meio de um interlocutor. Quando Braga Netto transmitiu o “aviso”, ele estava acompanhado dos chefes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

De acordo com informações do Estadão, Lira disse a interlocutores que estava preocupado e descreveu a situação como “gravíssima”. O voto impresso ainda não foi votado na Câmara dos Deputados e ainda tramita em uma Comissão Especial, no entanto, partidos do Centrão já concordaram em delibera contra a medida.

O presidente da Câmara entendeu o recado do ministro da Defesa como uma ameaça de golpe e procurou Jair Bolsonaro. Lira teve uma longa conversa com o presidente da República. Segundo o Estadão, Lira expressou a Bolsonaro que não apoiaria nenhuma tentativa de golpe institucional. Ele reforçou a lealdade ao presidente, mas reforçou que não admitiria uma tentativa de golpe.

Bolsonaro, por sua vez, teria dito que nunca defendeu uma tentativa de golpe e reafirmou ter compromisso com a Constituição Federal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos