Arthur Nory é bronze na barra fixa, e Brasil finaliza Mundial de Ginástica com recorde de medalhas

O Brasil encerrou sua participação no Mundial de Ginástica de Liverpool, na Inglaterra, com recorde de medalhas. Depois do ouro de Rebeca Andrade no individual geral, a ginasta mais completa do mundo também conquistou o bronze no solo, e coube a Arthur Nory fechar a participação brasileira com medalha de bronze na barra fixa.

Leia mais: Rebeca Andrade é medalha de bronze no solo no Mundial de Ginástica

Veja também: Rebeca Andrade conquista ouro inédito no Mundial de Ginástica

Bem na sua apresentação, Nory ficou no aguardo de seus concorrentes para saber se conseguia chegar ao pódio em uma final muito apertada. O americano Broody Malone marcou 14,800 e assumiu a liderança, para ser ameaçado logo depois pelo japonês Daiki Hashimoto, que fez 14,700.

O brasileiro foi o primeiro a se apresentar no último aparelho do dia. E deu um show. Em uma série limpa, ele marcou 14,466 pontos. Depois, Nory ficou no aguardo de seus concorrentes para saber se conseguia chegar ao pódio em uma final muito apertada.

O americano Broody Malone marcou 14,800 pontos e conquistou a medalha de ouro, seguido pelo campeão olímpico da prova, o japonês Daiki Hashimoto, que fez 14,700 e ficou com a prata. No fim, após falhas do chinês Boheng Zhang, do cipriota Ilias Georgiou e o australiano Tyson Bull, Arthur Nory pode soltar o grito e comemorar o pódio. Campeão mundial do aparelho em Stuttgart, em 2019, Nory também tem uma medalha de bronze olímpica no solo em seu currículo, conquistada no Rio, em 2016.

Antes disso, Rebeca Andrade já tinha feito história. Além de ter se tornado a ginasta mais completa do mundo com a medalha de ouro no individual geral, a brasileira ainda conquistou a medalha de bronze no solo.

O pódio veio de maneira inusitada. Isso porque Rebeca seria ultrapassada pela americana Jade Carey, que marcara 13,833. Os Estados Unidos, entretanto, entraram com um recurso para tentar aumentar a nota de partida da americana, e a arbitragem acabou por diminuir em 100 décimos o seu resultado, a deixando com os mesmos 13,733 da brasileira.

No fim da apresentação, dadas todas as notas, o pódio teve o bronze dividido entre as duas, com a medalha de ouro para a dona da casa Jessica Gadirova, da Grã-Bretanha, que fez 14,200 pontos, e a prata com a americana Jordan Chiles, que anotou 13,833.

- Quem sabe, uma hora esse ouro vai vir. Mas eu estou bem feliz. Qualquer medalha é bonita! Quando você pede recurso, tem que ter muita certeza. O dela abaixou a nota, mas estou no pódio, não vou reclamar não (risos) - resumiu Rebeca Andrade ao SporTV após a final.