Arthur do Val protocola pedido de impeachment de Bolsonaro por requisição de remédios de intubação

CAMILA MATTOSO
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O deputado estadual Arthur do Val (Patriota-SP), conhecido como Mamãe Falei, protocolou na Câmara dos Deputados um pedido de impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por causa da requisição de medicamentos usados para para intubação de pacientes. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), tem afirmado que recentemente enviou nove ofícios ao Ministério da Saúde pedindo ajuda com esses medicamentos e que não teve resposta. Segundo a denúncia do deputado Arthur do Val, membro do MBL, Bolsonaro incorreu em crime de responsabilidade ao lançar mão da requisição do kit intubação das fornecedoras nacionais em "esforço dissimulado (e mesquinho) de vingança política." Em janeiro, o Ministério da Saúde requisitou seringas e agulhas compradas pelo governo de São Paulo para a campanha de vacinação contra a Covid-19. O ministro do STF Ricardo Lewandowski impediu que a gestão Bolsonaro pegasse os materias e disse que a administração paulista não poderia ser penalizada pela "incúria" do governo federal. Nesse sentido, Do Val argumenta que a requisição dos medicamentos para intubação das produtoras nacionais (fornecedoras do governo paulista) foi uma forma de penalizar e prejudicar o concorrente político do presidente, João Doria, atingindo também a população paulista. "De maneira indireta, o presidente da República fez exatamente aquilo que o STF vedou: confiscou bens dos estados", diz a representação. "Evidentemente, houve uma intervenção na administração paulista, cujos esforços e planejamento na área da saúde ficaram totalmente desestruturados", completa. “Este impeachment deveria ser protocolado pelo governador de São Paulo, mas se João Doria não tem cacife e gabarito moral para fazê-lo, eu tenho. São Paulo precisa ser respeitada pela locomotiva que é. Pagamos 10 vezes mais em impostos do que recebemos da União. Não podemos também ficar sem insumos para tratar o Covid. São Paulo voltará a ser defendida", diz o deputado.