Arthur do Val tenta nova cartada para manter direitos políticos e atrasa andamento do processo

·2 min de leitura
*ARQUIVO* Sao Paulo, SP, BRASIL, 16-12-2019:  ***Especial Folha de S.Paulo*** Entrevista com o Deputado Arthur do Val (sem partido depois q foi expulso do DEM), o Mamae Falei, em seu gabinete  na Assembleia Legislativa . Arthur se lanca candidado a Prefeitura de Sao Paulo  (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
*ARQUIVO* Sao Paulo, SP, BRASIL, 16-12-2019: ***Especial Folha de S.Paulo*** Entrevista com o Deputado Arthur do Val (sem partido depois q foi expulso do DEM), o Mamae Falei, em seu gabinete na Assembleia Legislativa . Arthur se lanca candidado a Prefeitura de Sao Paulo (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os advogados do ex-deputado estadual Arthur do Val, o Mamãe Falei, protocolaram um pedido para que a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) suspenda a tramitação do processo que pode resultar na cassação de seu mandato.

O parlamentar renunciou ao cargo no dia 20, uma semana depois que o Conselho de Ética da Casa aprovou a sua cassação por unanimidade.

Sua defesa afirma agora que, com isso, o processo perde a validade e deve ser suspenso.

Se a ideia vingar, Arthur do Val mantém seus direitos políticos e pode ser candidato a deputado federal ainda em 2022.

O deputado Carlão Pignatari, que preside a Assembleia, determinou a suspensão da reunião da Comissão de Constituição e Justiça marcada para esta terça (26) que seguiria analisando o processo. E enviou o pedido dos advogados à procuradoria da Casa, que deve emitir um parecer.

Do Val é julgado por quebra de decoro parlamentar depois de viajar à Ucrânia e enviar áudios a amigos com comentários sexistas sobre as mulheres do país em guerra. Entre outras coisas, ele disse que as ucranianas são fáceis porque são pobres.

Integrantes da Assembleia Legislativa desconfiam que a União Brasil, partido ao qual Arthur do Val se filiou em março, depois de ser expulso do Podemos, está costurando um acordo para manter o ex-parlamentar na disputa de 2022.

A legenda apoia a candidatura do atual governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB-SP) à sucessão de João Doria.

"A lei é clara: mesmo com a renúncia, o processo deve prosseguir", diz o deputado estadual Emídio de Souza (PT-SP), que integra a CCJ da Alesp. "Se paralisarem o processo, vamos judicializar", afirma ele.

Os advogados de Mamãe Falei dizem que a tramitação só não poderia ser interrompida caso o processo de cassação já tivesse sido despachado para o plenário, o que ainda não tinha ocorrido.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos