Artigo: O sol há de brilhar mais uma vez, diz Eduardo Paes

Eduardo Paes
·2 minuto de leitura

Tem início na sexta-feira (26 de março) um período de dez dias até o Domingo de Páscoa (4 de abril) que será um tempo de reclusão forçada, de recolhimento, determinado por nós por força das necessidades impostas pela pandemia que ainda se faz presente. Uma medida dura, sabemos todos, mas que é mais do que necessária conforme orientação firme do Comitê Científico, formado por especialistas de diversas áreas, que norteia as decisões da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro em tempos tão difíceis. E é necessária porque não há nada que valorizemos mais do que a vida dos cariocas e das cariocas, que são a razão de ser dessa cidade.

É da preservação de vidas que estamos falando. E foi pensando, também, na preservação de vidas, e no sustento das famílias cariocas, que lançamos na última quarta-feira um programa que destinará para cerca de 900 mil pessoas aproximadamente R$ 100 milhões nos próximos dias: porque há urgência.

E porque há urgência – no combate ao coronavírus, no combate à fome, ao desemprego e às dificuldades geradas com esse período de reclusão que estamos impondo – é que fazemos o apelo: vamos juntos atravessar esses dez dias com o espírito da solidariedade norteando nossos passos em direção ao Domingo de Páscoa.

E solidariedade nesses dias está intimamente ligada à sobrevivência, a cuidados capazes de preservar a saúde de todos nós enquanto aguardamos a imunização por meio das vacinas que estamos recebendo e imediatamente disponibilizando. Não viveremos um feriadão, com se tem dito e como nos acostumamos a viver. Feriados sempre foram sinônimo de festa, de aglomeração, de praias cheias, e tudo o que não precisamos (e não podemos) fazer nesses dias é isso. Façamos, cada um, nossa festa particular e silenciosa, cada um a seu modo, a fim de que possamos desafogar nossa rede de saúde, próxima do colapso apesar dos esforços que fazemos desde o primeiro dia de nosso governo, aumentando imensamente nossa capacidade de atendimento.

Mantenhamos firme nosso propósito de seguirmos vivos até que a vacina chegue a cada um de nós. O Rio é referência na matéria e temos ampla condição de vacinar a população com presteza e rapidez.

A Prefeitura do Rio vai seguir nesse mesmo caminho: vacinando seu povo, ouvindo os especialistas e chamando os cariocas para a missão da superação das dificuldades que sempre superamos juntos, fossem quais fossem os revezes. Conto com vocês e vocês podem contar comigo. O sol, podem estar certos, há de brilhar mais uma vez.