Artigo: Onde está Gabigol na foto do título? Neurônios indicam o paradeiro do craque

Tente encontrar o Gabigol na foto da comemoração da Libertadores.

Você consulta sua memória sobre a imagem que guarda do jogador, lembra-se de que ele tem cabelos tingidos de claro no topo do penteado, e seus olhos saem buscando essa configuração, até encontrar a mais provável, que está atrás do goleiro.

Quando você se propõe uma meta, ainda que simples como essa, seu comportamento se direciona a ela. Você atua visando alcançar a meta. Sua atenção torna-se focada nessa busca, sem, no entanto, abandonar as condições de contorno.

Por isso, você examina a foto, sabe o que ela representa, e sai em campo buscando uma mecha de cabelos claros perdida na multidão. Isso ocorre normalmente, sem você sentir.

Mas o processo não funciona bem em alguns transtornos neuropsicológicos: no déficit de atenção com hiperatividade, por exemplo, torna-se difícil concentrar para alcançar uma meta.

Já existem dados levantados pelos neurocientistas com o uso de imagens de ressonância magnética funcional, implicando nessa função uma região do córtex cerebral que fica no plano mediano entre os hemisférios, bem no topo da cabeça: é a chamada área pré-motora suplementar. A missão dessa área, na tarefa que você fez há pouco, foi programar uma sequência de movimentos oculares em busca do alvo.

Mas como isso ocorre na intimidade dos neurônios dessa região cortical? Será que há neurônios individuais encarregados da busca de metas, de alvos?