Artigo: Tremendamente romântico

Erasmo Carlos foi aprendendo com a vida que tremendão mesmo é ser homem romântico, aquele que com a passagem do tempo vai substituindo a bagunça do lobo mau, a carranca do blusão de couro e o espalhafato do carro vermelho por uma coleção de palavras delicadas. No lugar de “vem quente que eu estou fervendo” passou a escrever “gente certa é gente aberta” e trocou Little Richard pelo Tito Madi que Roberto Carlos lhe apresentou. No lugar do “tremendão” surgiu o “gigante gentil”.

Erasmo Carlos, 80 anos: ‘Música, orgasmo e Deus são as melhores coisas da vida’

Da Tijuca para o mundo: A importância do bairro na formação musical de Erasmo Carlos

Para quem não tinha tempo de ouvir a transformação que ia em suas músicas, Erasmo fez em 1981 a foto da capa de “Mulher (sexo frágil)”, onde aparece sendo amamentado por Narinha, sua esposa na época. Não precisava morrer para que fossem lembradas essas suas honras de ternura, pois desde há muito está sentado ao lado direito de Vinicius, Cazuza, Maria, Dolores, Lupicínio e Custódio no trono dos grandes da canção sentimental.

Em parceria com Roberto Carlos, criou um repertório em que cada brasileiro com mais de 30 anos é capaz de identificar momentos inesquecíveis de suas próprias vidas, e se vê no mesmo cenário de lençóis macios, as roupas pelo chão, as cavalgadas com as mãos mais atrevidas e todos os detalhes tão pequenos – às vezes tristes, outras alegres – da história sentimental de todos nós.

Aquela noite de pecado em que o som do quarto tocava “Amada amante”, aquela tarde do casamento de uma filha em que os noivos entraram ao som de “Olha” (“você tem todas as coisas que um dia eu sonhei pra mim”), aquele pé na bunda na madrugada de álcool e cigarro em que você ficou sentado à beira do meio-fio. No motel, na igreja, no bar, Roberto e Erasmo também estiveram lá no fundo de todas essas emoções.

Juntos, fizeram canções populares, mas jamais bregas, num raro equilíbrio de comunicação e bom gosto musical. O Brasil quando se apaixona é uma vitrola que imediatamente começa a tocar alguma balada de Roberto e seu amigo de fé, irmão camarada, esse que agora se vai, o último dos tremendamente românticos.