Artista cria painel gigante em SP em homenagem a Paulo Gustavo: 'Ele iria gostar muito'; Veja imagens

·2 minuto de leitura

Quem agora passa pelo bairro de Campo Limpo, em São Paulo, pode se deparar com uma obra de arte ao ar livre daquelas. Trata-se de um mural gigante em homenagem ao ator e humorista Paulo Gustavo, morto no dia 4 de maio, aos 42 anos, em decorrência de complicações da Covid-19. O trabalho é assinado pelo grafiteiro e artista plástico Paulo Terra, nome por trás de outros trabalhos parecidos em que retrata figuras de peso como Silvio Santos, Michael Jackson, Raul Seixas, Ayrton Senna e Gugu Liberato.

" Tenho diversos murais em homenagem às pessoas em vida e também que já morreram. E o Paulo Gustavo é um artista e uma pessoa de quem sou muito fã. Então, reuni minha equipe e tivemos a permissão do espaço para criar", afirma o grafiteiro.

E que espaço! Segundo Terra, a parede do imóvel que recebeu a arte tem dimensões de 15 a 20 metros de comprimento por cerca de 7 metros de altura. Um trabalho árduo, porque, como o próprio explica, tem "um sobe e desce de escada" intenso. O painel deve receber os retoques finais nesta terça-feira.

Na arte, estão desenhados o rosto de Paulo Gustavo (inspirado na imagem do último especial que ele fez para a TV Globo) e também a carinha de sua personagem de maior sucesso: Dona Hermínia, que além do teatro e televisão, teve três filmes nos cinemas.

"Tirei a imagem dele de um vídeo que ele fez no fim do ano (passado), em que declara seu amor pela arte. Ele também falou para as pessoas não ficarem presas às declarações de amor em palavras, mas também para amá-las em atitudes", afirma o artista que trabalhou em equipe com o irmão Pedro Terra e Edy HP.

"No desenho, colocamos crianças de máscaras, meio que representando o problema (a pandemia). E a doença que ele (Paulo) acabou tendo", diz ainda.

Terra não esconde que gostaria mesmo de ter feito a homenagem com Paulo Gustavo vivo. Ele ressalta que o carinho que as pessoas têm por ele é muito grande: elas param, observam o trabalho e tiram fotos.

"Infelizmente, não deu para a gente homenageá-lo em vida. A gente acha que ele iria gostar muito. Mas fica essa homenagem após a morte dele. Todas as pessoas têm uma maneira de demonstrar carinho: com uma foto ou uma imagem dele numa camisa... A nossa é com a nossa arte", conclui.