Artistas, políticos e ativistas se manifestam sobre mortes de Phillips e Pereira e cobram respostas

A notícia de que dois suspeitos confessaram os assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips gerou uma nova onda de manifestação e repúdio nas redes, além de cobrança por respostas. Políticos, ativistas e artistas se posicionaram em solidariedade aos familiares das vítimas, mas também dispararam críticas principalmente ao presidente Jair Bolsonaro, que ao longo da semana negligenciou a relevância do então desaparecimento, e cuja política ambiental favorece a atuação de garimpeiros na Amazônia.

Vídeo: cena de Bruno Pereira entoando música indígena vira símbolo de sua luta

Tempo real: Indigenista morto no AM denunciou há dois meses quadrilha dos assassinos confessos

Costumaz crítico do presidente, o youtuber Felipe Neto lembrou que já foi entrevistado por Phillips, para o The Guardian, e criticou a "falta de combate às práticas ilegais na Amazônia pelo atual governo corrupto".

Entenda: Indigenista morto no AM denunciou há dois meses quadrilha dos assassinos confessos

Mais violenta: Ambientalista ameaçada duas vezes no campo diz que Amazônia ficou mais perigosa

Uma das lideranças indígenas mais conhecidas no mundo, Sônia Guajajara também se manifestou e disse que o país está de luto diante dos crimes

Veja mais: Vídeo divulgado por emissora mostra abordagem de Bruno Pereira à embarcação de pescador que confessou tê-lo matado

Políticos, principalmente de oposição ao atual governo, usaram as suas redes sociais para lamentar as mortes. Mas nem todos criticaram o presidente em suas postagens, como no caso de Fernando Haddad (PT) e Marina Silva (Rede).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos