Artistas reclamam e Regina Duarte desiste de uso político das imagens de colegas

Regina Duarte não conseguiu se manter devidamente atualizada. Desde sexta-feira, após publicar no Instagram uma imagem com fotos de artistas que estariam apoiando sua indicação como secretária especial de Cultura, a atriz recebeu uma série de reclamações de algumas das figuras que apareciam na fotomontagem. À medida que substituía os retratos pelos rostos de outros colegas, novas queixas surgiam. A solução foi apagar o post.

“Meu desejo de pacificar, de unificar a classe artística, já mostra que a resistência ideológica vai bater forte e tentar impedir que a polarização reinante possa ser vencida”, escreveu Regina Duarte, numa justificativa à eliminação da publicação: “Vou, no entanto, lutando pra que a cultura do nosso país possa estar acima de ideologias e partidos”.

Carolina Ferraz foi a primeira a solicitar que sua imagem fosse retirada. Em gravação de áudio compartilhada na internet, ela diz que jamais imaginou que sua foto fosse utilizada sem um pedido de autorização. “Realmente, torço para que você consiga exercer e fazer a diferença num governo que desprestigia tanto a classe artística. Mas não quero ser usada como alguém que está ali no seu Instagram, porque dá a entender que apoio o governo Bolsonaro, e eu não apoio”, ressaltou.

Em seguida, outros nomes citados por Regina a desmentiram — os atores Luiz Fernando Guimarães, Ary Fontoura, Carla Daniel e Beth Goulart foram alguns dos que desaprovaram a utilização de suas imagens.

“Oi, querida, houve um mal-entendido quando a parabenizei pelo novo projeto, pois conheço sua garra e confio que fará um belo trabalho. Porém não apoio e nem concordo com o governo atual”, escreveu Luiz Fernando Guimarães em recado a Regina.

A atriz Maitê Proença, que publicamente já havia desejado sucesso à colega, também se posicionou contra a publicação: “Eu também não gostei de ter sido usada em uma montagem que dá a entender o apoio a um governo que não aprovo. Que fique claro. Não aprovo este governo, mas apoiarei até à morte o direito de quem pensa diferente de mim”, escreveu Maitê, em comentário no Instagram.

Vereza mantém apoio

Carlos Vereza foi o único a aprovar publicamente a montagem. Ontem, o ator se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada, em Brasília, para reiterar seu apoio a Regina.

— De vez em quando, venho conversar com ele (Bolsonaro) — disse Vereza. — Regina é uma pessoa pacificadora, com uma visão democrática da cultura, e fará um belo trabalho.

Indagado se teria sido convidado para assumir algum cargo, Vereza desconversou:

— Não... Eu sou da mamãe!

Recém-chegada a Brasília, Regina Duarte também se reuniu, na manhã de ontem, com o presidente. No Instagram, ela cometeu outro erro ao avisar que haveria uma cerimônia de hasteamento da bandeira nacional no Palácio da Alvorada, confundindo o local com a Praça dos Três Poderes, a mais de 4km de distância — a celebração, porém, só acontece aos primeiros domingos de cada mês.

Regina Duarte será a quarta titular da Cultura no governo Bolsonaro. Em agosto, o então secretário Henrique Pires deixou o cargo após cancelar um edital para TVs públicas que incluía séries com temática LGBT. Alçado ao posto, o economista Ricardo Braga acabou sendo indicado para chefiar uma secretaria do Ministério da Educação, após cerca de dois meses. Foi substituído por Alvim, que caiu após emular um discurso do nazista Joseph Goebbels, ministro de Hitler. O interino de Alvim, José Paulo Soares Martins, também foi exonerado.