Às vésperas da eleição e com jingle de Covas ao fundo, entidade ligada ao PSDB entrega cestas básica na periferia

·3 minuto de leitura
Distribuição de cestas básicas aconteceu na Brasilândia (Foto: Reprodução)
Distribuição de cestas básicas aconteceu na Brasilândia (Foto: Reprodução)

Nesta quinta-feira, 26, vídeos nas redes sociais mostraram que apoiadores do candidato à reeleição Bruno Covas distribuíram cestas básicas a eleitores na Brasilândia. O prefeito de São Paulo nega qualquer ligação com a ação.

Com o jingle de Covas ao fundo, moradores da região fizeram fila para receber caixas que estavam sendo distribuídas. Um carro com o número 45 no capô participava da ação nesta quinta.

Segundo informações da Carta Capital, a ação foi promovida pelo Movimento Social Beneficente, ligado ao PSDB. O diretório do partido na região, Emilson Almeida da Silva, confirmou a distribuição de cestas básicas à revista, mas negou que tivesse relação com a campanha.

“Um rapaz que veio aqui, que acho que é da comunidade próxima, parou com o carro aqui de campanha com o negócio ligado. Aí nós mandamos desligar. Não tem nada a ver com campanha, a entidade existe aqui há mais de 20 anos”, disse à Carta Capital.

Leia também

Em nota, a campanha de Covas garante que não distribuiu cestas básicas. “É inadmissível que, há três dias das eleições, este tipo de conduta esteja sendo compartilhada. Apesar dos ataques e das Fake News, vamos manter a nossa postura de mostrar aos eleitores o que fizemos nos últimos anos à frente da prefeitura da capital e o que vamos realizar nos próximos 4 anos.”

Imagens de outra distribuição de cestas básicas, em Engenheiro Marsilac, também circulam nas redes sociais. Sobre o vídeo, a campanha de Covas alega que se trata de uma ação solidária da prefeitura, sem relação com a corrida eleitoral.

Questionada, a prefeitura de São Paulo não informou quando ocorreu a ação.

Segundo a lei eleitoral, é proibido durante a campanha “distribuir camisetas, chaveiros, bonés, canetas, brindes, cestas básicas ou quaisquer outros bens ou materiais que possam proporcionar vantagem ao eleitor”.

Eleições em São Paulo

São Paulo é o maior colégio eleitoral do Brasil com quase 9 milhões de pessoas aptas a votar. Com 32.85% dos votos válidos no primeiro turno, Bruno Covas (PSDB) enfrenta Guilherme Boulos (PSOL) que teve 20.24% dos votos válidos..

Covas é prefeito da cidade desde 2018, quando assumiu após o prefeito eleito João Doria (PSDB) deixou o cargo para disputar — e ganhar — o Governo do Estado. Foi Bruno quem esteve à frente da cidade na pandemia do coronavírus.

Já Boulos ficou nacionalmente conhecido em 2018, quando foi candidato do PSOL à presidência. Conhecido por sua atuação com o MTST, ele é professor e concorre pela primeira vez ao cargo. Sua vice, Luiza Erundina, foi prefeita de São Paulo no final da década de 1980.

Eleições municipais em todo país

As Eleições 2020 moveram praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa foi uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI.

O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um prefeito, CLIQUE AQUI.