Assad vota em antiga cidade rebelde síria que foi alvo de ataque químico

·1 minuto de leitura
Presidente sírio, Bashar al-Assad

Por Suleiman Al-Khalidi e Maha El Dahan

AMÃ (Reuters) - O presidente da Síria, Bashar al-Assad, depositou seu voto nesta quarta-feira em uma eleição na qual deve conquistar um quarto mandato, e escolheu o antigo bastião rebelde de Douma, onde um suposto ataque com armas químicas em 2018 desencadeou ataques aéreos ocidentais, como local para votar.

O governo diz que a eleição mostra que a Síria está funcionando normalmente, apesar de um conflito de uma década que matou centenas de milhares de pessoas e expulsou de casa 11 milhões de pessoas -- cerca de metade da população.

"A Síria não é o que eles estão tentando mostrar, uma cidade contra a outra e uma seita contra a outra ou uma guerra civil, hoje estamos provando em Douma que o povo sírio é um só", disse Assad depois de votar.

A eleição ocorreu independentemente de um processo de paz liderado pela Organização das Nações Unidas (ONU), que pediu uma votação sob supervisão internacional que ajudaria a abrir caminho para uma nova Constituição e um acordo político.

A oposição, que está boicotando o pleito, diz que os rivais presidenciais de Assad são deliberadamente discretos: Abdallah Saloum Abdallah, um ex-vice-ministro de gabinete, e Mahmoud Ahmed Marei, chefe de um partido pequeno de oposição sancionado oficialmente.

França, Alemanha, Itália, Reino Unido e Estados Unidos disseram na terça-feira que a eleição não seria livre ou justa.

Em partes de Deraa, uma cidade do sul que foi palco dos primeiros protestos anti-Assad, figuras locais convocaram uma greve geral para mostrar sua oposição à eleição.

(Reportagem adicional de Rodi Said em Qamishli e Khalil Ashawi em Idlib)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos