Assassinato de petista: 67% das menções nas redes foram em repúdio; post de Bolsonaro teve o maior alcance

Um levantamento da consultoria Quaest mostra que o assassinato de Marcelo Arruda, tesoureiro do PT morto por um militante bolsonarista em Foz do Iguaçu, no último domingo, gerou mais de 446 mil menções nas redes sociais em menos de 48 horas. Opositores do presidente Jair Bolsonaro (PL) protagonizaram o debate e 67% das menções expressaram repúdio ao crime e ao chefe do Executivo.

Uma postagem de Bolsonaro, no entanto, apresentou o maior alcance nas redes. O texto, que não tratava diretamente sobre o fato, mas citava a temática da violência política, alcançou mais 34 milhões de internautas. De acordo com o levantamento, 14% das menções representaram uma relativização do fato, tratando o ocorrido como fruto da polarização política, enquanto 4% demonstraram apoio ao assassino e focaram em atacar e desqualificar a vítima. Outros 15% foram caracterizados pelo teor informativo.

Entre os trending topics, “assassinato de um pai de familia” apresentou maior destaque. O termo “assassinato do tesoureiro” apareceu em segundo lugar, com menções noticiando e descrevendo o fato. Em terceiro, "simples fato" foi utilizado para descrever o motivo torpe que deu origem ao crime.

O levantamento considerou as menções relacionadas ao evento entre 0h do último domingo e 17h desta segunda-feira. As menções foram coletadas das principais redes sociais (Twitter, Instagram e Facebook). Na pesquisa, foram utilizados os seguintes termos: “festa de aniversário”, mata, morre, assassina, assassinato, violência, atirador, briga, “tesoureiro do PT”, “apoiador de bolsonaro”, “agente penal”, “guarda municipal”, os nomes dos envolvidos no fato e outros termos similares relacionados ao evento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos