Assassinatos e ameaças compõem história política do Brasil; relembre casos

FOZ DO IGUAÇU, PR, 11.07.2022 - ENTERRO-PETISTA-FOZ DO IGUAÇU-PR - Familiares e amigos durante o enterro do militante petista Marcelo Aloizio de Arruda, 50, no Cemitério Municipal Jardim São Paulo, na cidade  de Foz do Iguaçu, na tarde desta segunda-feira (11). Ele foi morto a tiros no sábado (9) por um policial penal bolsonarista que invadiu a festa de aniversário temática do guarda municipal. Marcelo era tesoureiro do PT, partido ao qual era filiado há mais de dez anos e pelo qual concorreu a vereador e a vice-prefeito pela sigla em eleições municipais recentes. (Paulo Lisboa/Folhapress)
FOZ DO IGUAÇU, PR, 11.07.2022 - ENTERRO-PETISTA-FOZ DO IGUAÇU-PR - Familiares e amigos durante o enterro do militante petista Marcelo Aloizio de Arruda, 50, no Cemitério Municipal Jardim São Paulo, na cidade de Foz do Iguaçu, na tarde desta segunda-feira (11). Ele foi morto a tiros no sábado (9) por um policial penal bolsonarista que invadiu a festa de aniversário temática do guarda municipal. Marcelo era tesoureiro do PT, partido ao qual era filiado há mais de dez anos e pelo qual concorreu a vereador e a vice-prefeito pela sigla em eleições municipais recentes. (Paulo Lisboa/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A violência não é novidade na política brasileira. A morte do petista Marcelo de Arruda, assassinado pelo policial penal federal bolsonarista Jorge Jose da Rocha Guaranho em Foz do Iguaçu (PR), é o mais recente caso de um histórico presente no país desde o século retrasado.

Assassinatos, tiros dentro do Congresso, brigas, ofensas em redes sociais fazem parte do histórico de ações contra políticos e militantes que atuam no Brasil.

Um levantamento feito por pesquisadores da UniRio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) mostra que foram assassinados 79 candidatos que concorreram às eleições ocorridas entre 2000 e 2016.

Nos últimos anos, entre os casos mais famosos estão a execução da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL), a facada no presidente Jair Bolsonaro (PL) enquanto ele era candidato nas eleições de 2018, tiro no ônibus da caravana de Lula e o assassinato de um mestre capoeira após uma discussão política.

Na semana, uma bomba caseira foi detonada durante um evento que teria a participação do ex-presidente Lula, na Cinelândia, no Rio de Janeiro.

Confira alguns casos abaixo.

21.NOV.1830 – ASSASSINATO DE LIBERO BADARÓ

Político, jornalista e médico, Giovanni Battista Líbero Badaró chegou ao Brasil em 1826. Ele se estabeleceu em São Paulo e fundou o jornal Observador Constitucional, em que criticava ação de governantes. Ele foi assassinado após sofrer atentado a bala, quando chegava em sua casa, na rua que hoje leva seu nome no centro de São Paulo. Antes de morrer teria dito: "Morre um liberal, mas não morre a liberdade".

O crime foi considerado político, já que o imigrante alemão Henrique Stock alegou ter atirado a mando do desembargador ouvidor Candido Ladislau Japi-Assú, defensor do Império.

15.JUL.1889 – ATENTADO CONTRA DOM PEDRO 2º

Quando dom Pedro 2º saia do teatro Sant’Anna, no centro do Rio, e se dirigia para uma carruagem, um pequeno grupo gritou vivas à República.

O carro imperial seguiu para a praça da Constituição, um indivíduo disparou na direção do monarca e fugiu para um estabelecimento próximo.

Pouco depois, porém, foi preso pelo povo um homem que acreditava-se ser o autor do atentado. Não ficou comprovado se o suspeito tinha ligações políticas com grupos republicanos.

5.NOV.1895 – PRUDENTE DE MORAIS ESCAPA DE FACADA, MAS MINISTRO MORRE

Era uma terça-feira quando o soldado Marcellino Bispo tentou esfaquear o presidente da República, Prudente de Morais, no pátio do Arsenal de Guerra (Rio), durante a cerimônia de recepção dos militares vindos da Guerra de Canudos. Morais foi salvo pelo ministro da Guerra, o marechal Carlos Machado Bittencourt, que se jogou na frente do presidente. O ministro foi atingido e morto por Bispo.

O coronel Luís Mendes de Morais, chefe da Casa Militar e sobrinho de Prudente de Morais, que ajudou a defender o presidente, também foi esfaqueado, mas sem gravidade.

26.JUL.1930 – MORTE DE JOÃO PESSOA

Presidente da Paraíba, posto equivalente hoje ao de governador, João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque foi assassinado em Recife, em 1930, pelo advogado João Dantas. Ele era candidato a vice-presidente na chapa encabeçada por Getúlio Vargas (1883-1954).

O movimento, liderado por Vargas, derrubou do poder o presidente Washington Luís, que apoiava a chapa da situação formada por Julio Prestes e Vital Soares. O assassinato foi utilizado pelos getulistas como propaganda para derrubar Washington Luís.

O crime foi definido como um atentado político e imediatamente atribuído aos aliados do presidente da República. Porém, o motivo mais provável do crime, conforme vários historiadores e reportagens publicadas na época, foi passional.

Dias antes do crime, o jornal aliado na Paraíba a João Pessoa, A União, havia publicado a correspondência íntima entre Dantas, o advogado que matou o político, e a sua namorada Anayde Beiriz.

Revoltado, Dantas surpreendeu João Pessoa na Confeitaria e Café Glória, no Recife, e o assassinou com tiros à queima-roupa.

4.AGO.1954 – ATENTADO CONTRA LACERDA

Na madrugada de quarta-feira, o jornalista e político Carlos Lacerda, maior opositor do presidente Getúlio Vargas e que fazia ferrenha campanha contra Getúlio no jornal Tribuna da Imprensa, de sua propriedade, foi atingido por um tiro no pé quando chegava ao número 180 da rua Tonelero, em Copacabana (Rio), onde morava.

Os disparos, vindos de um carro, atingiram também o major da Aeronáutica Rubens Vaz, que fazia a segurança de Lacerda com outro oficial. Vaz foi morto com dois tiros.

De acordo com o inquérito policial, o mandante do crime foi Gregório Fortunato, chefe da Guarda Pessoal de Vargas.

4.DEZ.1963 – MORTE DO SENADOR JOSÉ KAIRALA

Durante uma discussão no Senado, o senador Arnon de Mello, pai do ex-presidente e atual candidato ao governo de Alagoas Fernando Collor de Mello, matou por engano o senador José Kairala com um tiro no abdômen.

O alvo do disparo era o senador Silvestre Péricles, que já havia ameaçado Arnon durante seu discurso na Casa.

Tanto Arnon quanto Péricles, que também estava armado, foram presos em flagrante por decisão do Senado. Poucos meses depois, o Tribunal do Júri de Brasília votou pela inocência dos senadores.

18.DEZ.2006 – ACM NETO É ESFAQUEADO

A pensionista Rita de Cássia Sampaio de Souza utilizou uma peixeira de 40 centímetros para esfaquear o deputado federal Antonio Carlos Magalhães Neto (PFL), quando o parlamentar deixava seu escritório no bairro da Pituba, em Salvador.

Ele disse estar revoltada com o aumento salarial dos deputados. ACM Neto foi atingido nas costas, quando já estava sentado em seu carro, mas se recuperou.

20.OUT.2010 – OBJETO JOGADO EM JOSÉ SERRA

Durante a campanha presidencial em 2010, o candidato José Serra (PSDB) foi atingido por um objeto circular e transparente durante confusão no Rio de Janeiro.

Ele foi a um hospital onde passou por uma tomografia e cancelou a agenda no período da tarde. Com base em uma reportagem do SBT mostrando o tucano sendo atingido por uma bolinha de papel, Lula ironizou o incidente no dia seguinte.

No entanto, imagens gravadas pelo jornal Folha de S.Paulo indicavam que o vídeo do SBT mostrando a bolinha de papel atingindo Serra é anterior a arremesso de um outro objeto.

28.SET.2016 – CANDIDATO A PREFEITO DE ITUMBIARA (GO) É MORTO

O candidato à Prefeitura de Itumbiara (GO) José Gomes da Rocha (PTB) morreu após ser baleado durante a última carreata de campanha. Ele estava acompanhado do então vice-governador de Goiás e hoje governador do estado, José Eliton, que também foi atingido pelos disparos, mas sobreviveu.

Após o ataque, houve uma troca de tiros. O cabo da Polícia Militar Vanilson Rodrigues, que fazia a segurança do evento, e o autor do atentado, identificado como Gilberto Ferreira do Amaral, funcionário da Secretaria Municipal de Saúde, também morreram na ação.

14.MAR.2018 – VEREADORA DO RIO É ASSASSINADA

A vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista do carro que a transportava, Anderson Gomes, foram assassinados na rua Joaquim Palhares, no Estácio, zona norte do Rio.

Um carro parou ao lado deles, disparou e fugiu sem roubar nada. Uma assessora que a acompanhava sobreviveu.

27.MAR.2018 – TIROS NA CARAVANA DE LULA

Dois dos três ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foram atingidos por quatro tiros na noite de 27 de março de 2018, no Paraná.

Um dos veículos, que era ocupado por jornalistas e era o último do comboio, teve duas perfurações na lataria —dos dois lados. Outro tiro atingiu de raspão um dos vidros do mesmo veículo. Ninguém se feriu.

O ataque ocorreu na saída da cidade de Quedas do Iguaçu, no Paraná, quando a caravana seguia para Laranjeiras do Sul.

06.SET.2018 – FACADA EM BOLSONARO

Jair Bolsonaro (então no PSL) foi esfaqueado em ato de campanha na cidade de Juiz de Fora, na zona da mata de Minas Gerais, segundo a Polícia Militar do estado.

Ele participava de evento para sua campanha ao Palácio do Planalto.

08.OUT.2018 – MORTE DE CAPOEIRISTA POR DISCUSSÃO POLÍTICA

O mestre de capoeira Romualdo Rosário da Costa, 63, foi morto a facadas após uma discussão política em Salvador.

Conhecido como Moa do Katendê, ele estava em um bar no bairro do Engenho Velho da Federação, periferia de Salvador, quando discutiu com outro homem sobre a eleição presidencial de 2018.

O capoeirista defendeu o voto em Fernando Haddad (PT) enquanto o agressor, aos gritos, defendia o apoio a Jair Bolsonaro (PSL) —ambos disputaram o segundo turno.

07.JUL.2022 – BOMBA CASEIRA EM ATO DE LULA

Um ato com apoiadores do ex-presidente Lula na Cinelândia, no centro do Rio de Janeiro, foi alvo de um artefato explosivo que agravou a tensão na pré-campanha do petista, alvo de seguidos episódios de ataques nos últimos meses.

A bomba caseira, aparentemente feita de garrafa PET, foi lançada do lado de fora da área isolada em frente ao palanque, antes da chegada de Lula. Ninguém se feriu.

10.JUL.2022 – PETISTA É MORTO A TIROS POR BOLSONARISTA EM FOZ DO IGUAÇU

Um policial penal federal bolsonarista invadiu uma festa de aniversário e matou a tiros o guarda municipal e militante petista Marcelo Aloizio de Arruda, em Foz do Iguaçu (PR).

Durante a ação, o petista reagiu e efetuou disparos contra seu agressor, identificado como Jorge José da Rocha Guaranho.

A Polícia Civil do Paraná a princípio disse que Guaranho também tinha morrido, mas a informação depois foi corrigida. Ele permanece internado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos