Assédio, injúria: homem acusado de agredir mulher em academia acumula 10 processos

Empresário que agrediu modelo é acusado de assédio, injúria, entre outros - Foto: Reprodução/TV Globo
Empresário que agrediu modelo é acusado de assédio, injúria, entre outros - Foto: Reprodução/TV Globo
  • Homem foi acusado de cuspir e agredir uma modelo em uma academia de luxo de São Paulo

  • Ele coleciona processos na Justiça, por assédio, agressão, injúria, dívidas, entre outros

  • O rapaz também foi acusado de espancar o próprio filho

Acusado de agredir e cuspir em uma modelo dentro de uma academia de luxo em São Paulo, no início do mês, o empresário Thiago Antonio Brennand Tavares da Silva Fernandes Vieira tem um histórico de delitos e acumula ao menos 10 processos na Justiça.

Nascido e criado em Recife, o rapaz tem 42 anos e apresenta-se na internet como Thiago Brennand e orgulha-se do sobrenome de uma família tradicional de Pernambuco.

O histórico do empresário, porém, é bem menos nobre. O primeiro caso que se tem registro aconteceu em 2013, durante aula do curso de Direito na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP).

Thiago foi classificado como "desrespeitoso e agressivo" após se envolver em confusão com uma aluna, tendo jogado o cabelo dela para frente, atirado seu material para longe e a chamado de "pirralhinha malcriada". Na ocasião, ele também teria mostrado fotos de armas para colegas, sendo uma delas empunhada por uma criança.

Três anos depois, logo após voltar de um período morando na Suíça, o empresário foi protagonista de um episódio de assédio sexual ao abraçar e tocar as nádegas de uma funcionária de um restaurante na Zona Sul de São Paulo. Ela questionou o rapaz, que passou a xingá-la na frente de outros clientes.

O caso foi registrado na delegacia como injúria, e Thiago foi impedido de voltar ao estabelecimento por uma medida restritiva. Ele entrou em acordo com a funcionária e pagou R$ 10 mil "sem reconhecimento da culpa".

Na lista de processos dos quais o empresário é alvo, há um de 2021 por injúria e ameaça contra um funcionário de um clube de hipismo, além de uma ação de despejo em 2013 pelo não pagamento de IPTUs e aluguéis de uma casa alugada.

Filho agredido

Em 2020, a mãe do filho de Thiago procurou uma delegacia em Pernambuco após ouvir relato do adolescente de que vinha sendo "espancado" pelo pai, com quem vivia, à época, na Rússia.

Em uma viagem ao Brasil, o garoto relatou à mulher que era vítima de torturas físicas e psicológicas por parte do pai e precisou fugir sem que ele percebesse em um voo para o estado nordestino.

O adolescente contou à polícia que era agredido desde os 4 anos pelo pai, que usava até cabos de celulares e baquetas de bateria nos espancamentos. Após uma conversa com Thiago, porém, o jovem mudou a versão, disse que "se apanhava, era pouco" e minimizou os episódios.

O empresário afirmou que passou a ter problemas com o filho quando tentou impedir seu namoro com uma mulher mais velha, de 22 anos. Sobre os hematomas, ele garantiu que foram provocados pelo próprio garoto, para tentar convencer a mãe.