Assessor da Presidência foi acionado para acompanhar depoimento de ex-auxiliar de Trump à PF

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O assessor internacional da Presidência, Filipe Martins, esteve no aeroporto de Brasília nesta terça (7) enquanto a Polícia Federal tomava depoimento do empresário Jason Miller, ex-assessor de Donald Trump e fundador da rede social de direita Gettr, e do empresário Gerald Brant, amigo da família Bolsonaro.

Martins chegou ao local após Miller e Brant acionarem integrantes do governo Bolsonaro e informarem sobre a abordagem da PF pouco antes de embarcarem para os EUA.

Ele se apresentou como assessor da Presidência aos policiais e seu nome foi registrado nos autos.

Os dois foram ouvidos no inquérito dos atos antidemocráticos que apura a atuação de uma suposta milícia digital. O relator do caso é o ministro Alexandre de Moraes.

Miller e Brant optaram pelo silêncio e não responderam aos questionamentos.

Ambos chegaram ao Brasil no sábado (4) para a conferência conservadora Cpac, em Brasília, organizada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

O presidente Jair Bolsonaro citou a abordagem da PF contra o fundador da rede social de direita em seu discurso na avenida Paulista ao criticar Alexandre de Moraes.

Segundo Bolsonaro, o ministro teria mandado interceptar “um cidadão americano para ser inquirido”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos