Assessor do GSI, general é internado com covid-19 no HFA

Jussara Soares
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — Chefe da Assessoria de Planejamento e Assuntos Estratégicos do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o general da reserva Carlos Roberto de Sousa Peixoto está internado desde a última quinta-feira no Hospital das Forças Armadas (HFA) devido ao agravamento de seu estado de saúde após ser contaminado com a covid-19.

O GSI confirmou ao GLOBO que o general está internado no HFA, mas informou que “por questões éticas, os detalhes médicos sobre o paciente só podem ser fornecidos pela própria família.”

Auxiliar do ministro Augusto Heleno, general Peixoto despacha no Palácio do Planalto, mas, desde devido à pandemia, vinha alternando o trabalho presencial e remoto. Segundo o ministério, o último dia em que o general esteve no GSI, antes de estar positivo, foi no dia 11 de março.

Na última quinta-feira, Heleno foi o primeiro ministro do governo a se vacina contra a covid-19. Após tomar uma dose do imunizante, em Brasília, Heleno compartilhou o momento em suas redes sociais e destacou ter sido uma escolha pessoal. Aí mesmo tempo, afirmou que o governo defende a vacinação em massa.

“Hoje recebi a primeira dose da vacina contra a Covid-19. O Governo Federal defende a imunização em massa e trabalha intensamente para viabilizar, no menor prazo possível, a vacinação de todos os brasileiros. É uma ação voluntária. Foi a minha escolha”, disse o ministro do GSI.

No início do mês, um auxiliar do gabinete pessoal do presidente Jair Bolsonaro morreu em decorrência da Covid-19 , mas a informação foi mantida sob sigilo pelo Palácio do Planalto. Dias depois da morte de Silvio Kammers, um dos seus ajudantes de ordem, Bolsonaro voltou a defender remédios sem eficácia comprovada contra a doença em discursos e afirmou desconhecer algum funcionário do prédio que desenvolveu quadro grave da doença.

No dia 10 de março, o presidente falou em cerimônia no Planalto que desconhece "uma só pessoa" do prédio que tenha precisado de internação hospitalar após contrair a doença.

— Muitos têm sido salvos no Brasil com esse atendimento imediato, neste prédio mesmo, mais de 200 pessoas contraíram a Covid e quase todas, pelo que eu tenha conhecimento, inclusive eu, buscou esse tratamento imediato com uma cesta de produtos como a ivermectina, a hidroxicloroquina, a Anita, a Azitromicina, vitamina D, entre outros, que não tiveram sucesso, desconheço que uma só pessoa deste prédio tenha ido ao hospital para se internar — afirmou Bolsonaro.