Associação de juízes cria comissão LGBTQIAP+ para debater diversidade no trabalho

·1 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL 03.06.2018 Movimentação na 22ª edição da Parada do Orgulho LGBTQ, na Avenida Paulista (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL 03.06.2018 Movimentação na 22ª edição da Parada do Orgulho LGBTQ, na Avenida Paulista (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho) criou uma comissão LGBTQIAP+ para debater e propor soluções de combate à discriminação e inclusão dessa população no ambiente de trabalho.

O grupo debaterá tanto a participação de juízes e juízas LGBTQIAP+ no Judiciário brasileiro como quer propor discussões para o público externo por meio de campanhas sobre diversidade.

Um tema que dirigentes da associação querem levar ao debate da sociedade é a empregabilidade da população transexual.

Há ainda a previsão de realização de cursos, publicação de temas ligados à diversidade e o acompanhamento de matérias legislativas ligados ao assunto.

A comissão será formada por dirigentes da entidade, além de juízes e juízas das cinco regiões da Justiça do Trabalho e prevê reuniões periódicas, com calendário ainda não definido.

"A luta pelos direitos LGBT, incluindo o combate à homofobia institucional, nas esferas pública e privada, são pautas que devem ser objeto de deliberação e atuação da Anamatra, com participação em esferas de poder e decisão", diz o diretor Administrativo da Anamatra e coordenador da Comissão, juiz do Trabalho Ronaldo Callado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos