Associação médica recomenda proibição de remédios sem comprovação de eficácia contra Covid

·2 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro com caixa de hidroxicloroquina no Palácio da Alvorada, em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - A Associação Médica Brasileira (AMB), entidade que reúne mais de 80 sociedades de especialidades e órgãos federados do país, se manifestou nesta terça-feira contra o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19, como hidroxicloroquina e ivermectina, no tratamento da doença causada pelo novo coronavírus.

Em boletim de seu comitê de monitoramento da pandemia, a AMB afirmou que a utilização dos medicamentos hidroxicloroquina/cloroquina, ivermectina, nitazoxanida, azitromicina e colchicina deve ser banida do combate à pandemia, destacando que esses remédios não possuem eficácia científica comprovada no tratamento ou prevenção da Covid-19.

Alguns desses medicamentos, que fazem parte do que ficou conhecido como "kit Covid", têm sido indicados pelo presidente Jair Bolsonaro desde o início da pandemia, no que é chamado de tratamento precoce da doença causada pelo coronavírus.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo nesta terça-feira afirmou que pacientes têm ido para a fila de transplante de fígado após o uso do "kit Covid", dos quais pelo menos três morreram.

Em sua nota, a AMB alertou ainda que os pacientes com suspeita ou Covid-19 confirmada não devem se automedicar, indicando que fármacos --em especial corticoides, como dexametasona e predinisona-- utilizados fora do período correto podem piorar a evolução da doença.

"Aos médicos, reafirmamos que o uso de corticoides e anticoagulantes devem ser reservados exclusivamente para pacientes hospitalizados e que precisem de oxigênio suplementar, não devendo ser prescritos na Covid leve", acrescentou.

"Fake news desorientam pacientes", disse a AMB.

Na semana passada, a Justiça Federal determinou que o governo federal abstenha-se de veicular peças publicitárias sobre o enfrentamento à Covid que sugiram à população comportamentos que não estejam estritamente embasados em diretrizes técnicas e científicas.

Em sua nota desta terça-feira, a AMB ainda defendeu a vacinação em masssa com celeridade como medida ideal para controle da velocidade de propagação do vírus, e disse que o isolamento social é fundamental para conter sua disseminação, agravada pela variante inicialmente detectada em Manaus.

O Brasil passa atualmente por seu pior momento na pandemia, com marcas recordes de casos, óbitos e taxas de ocupação nos hospitais. Conforme números de segunda-feira do Ministério da Saúde, o país possui mais de 12 milhões de casos confirmados de coronavírus e cerca de 295 mil mortes por Covid-19.

(Por Gabriel Araujo)