Associações de correspondentes cobram investigação imediata do desaparecimento de jornalista e indigenista na Amazônia

A Associação dos Correspondentes de Imprensa Estrangeira no Brasil (ACIE) e a Associação dos Correspondentes Estrangeiros (ACE) emitiram uma nota de preocupação com o desaparecimento do Jornalista Britânico Dom Phillips, colaborador do Jornal The Guardian no Brasil, e do indigenista Bruno Araújo Pereira, desaparecidos há mais de 24 horas na região do Vale do Javari, no Amazonas. Eles navegavam perto do município de Atalaia do Norte, no Amazonas.

Acompanhe: Governo monta força-tarefa para buscar indigenista e jornalista desaparecidos na Amazônia

Veja recado: Bilhete com ameaça a indigenista da Funai partiu de pescadores invasores

Veja quem é: Jornalista desaparecido fazia viagem para o seu livro 'Como salvar a Amazônia?'

No documento, as entidades escreveram que requerem juntas ao Conselho Indigenista Missionário (CIMI), à União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (UNIVAJA) e toda a população ribeirinha da região uma investigação imediata das autoridades brasileiras para localizar o paradeiro de Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira.

'Espero que sejam encontrados logo': Lula faz apelo sobre jornalista e indigenista desaparecidos na Amazônia

“Também exigimos do governo brasileiro que atue fortemente para garantir a segurança dos profissionais da imprensa, brasileiros e estrangeiros, que atuam naquela região e que têm sofrido diversas ameaças ao seu trabalho nessa área de conflito de exploração irregular de minério. Estamos atentos ao desenrolar dos acontecimentos e estamos cobrando uma solução urgente para o caso”, concluiu a nota.

Relato: 'Imploramos pela Força Nacional', diz família de jornalista desaparecido na Amazônia

A organização não governamental Human Rights Watch também divulgou uma nota de preocupação, ressaltando que a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (UNIVAJA) informou que a equipe dos profissionais havia recebido ameaças na mesma semana do desaparecimento.

“É extremamente importante que as autoridades brasileiras dediquem todos os recursos disponíveis e necessários para a realização imediata das buscas, a fim de garantir, o quanto antes, a segurança dos dois”, pontuou o documento.

Saiba mais: Funai diz que servidor que desapareceu na Amazônia não estava em missão institucional mas de licença para tratar de 'assuntos particulares'

O Ministério Público Federal, a Polícia Federal e o Exército já foram acionados para realizar as buscas. Bruno Araújo era alvo constante de ameaças pelo trabalho que vinha fazendo junto aos indígenas contra invasores na região, pescadores, garimpeiros e madeireiros. O Vale do Javari é a região com a maior concentração de povos isolados do mundo.

Os dois desaparecidos viajavam com uma embarcação nova, com motor de 40 HP e 70 litros de gasolina, o suficiente para a viagem, e 07 tambores vazios de combustível.

De acordo com lideranças da Univaja, os dois se deslocaram com o objetivo de visitar a equipe de Vigilância Indígena que se encontra próxima à localidade chamada Lago do Jaburu (próxima da Base de Vigilância da Funai no rio Ituí), para que o jornalista visitasse o local e fizesse algumas entrevistas com os indígenas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos