Associações repudiam violência contra imprensa por manifestantes golpistas

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Associações de imprensa divulgaram uma nota nesta quinta-feira (3) na qual repudiam os atos de violência contra seus profissionais por parte de manifestantes que bloqueiam rodovias pelo país.

Em nota, a Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), a Aner (Associação Nacional de Editores de Revistas) e a ANJ (Associação Nacional de Jornais) afirmaram que, em Porto Alegre, equipes de reportagem de Rádio Gaúcha, SBT, Band e Record foram intimidadas e agredidas fisicamente durante cobertura dos protestos que questionavam o resultado do processo eleitoral.

Segundo as associações, alguns equipamentos foram quebrados pelos manifestantes. Eles afirmaram ainda que é inadmissível todo e qualquer ataque aos profissionais e meios de comunicação que cumprem a missão de informar a sociedade sobre assuntos de interesse público.

"Atos criminosos como este são próprios de grupos extremistas, incapazes de conviver em ambiente democrático, e não pautarão os veículos de comunicação brasileiros", diz a nota.

As associações pediram também às autoridades uma rigorosa apuração dos fatos, com a punição dos responsáveis, para que agressões como estas não voltem a se repetir.

Na quarta-feira (2), o presidente Jair Bolsonaro (PL) publicou vídeo em que pede a seus apoiadores que liberarem rodovias que estão obstruídas em protesto contra a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições deste ano.

O mandatário disse que outras manifestações, em praças e locais públicas, são "do jogo democrático" e não comenta o teor golpista dos protestos.

Bolsonaro disse ainda que é necessário "respeitar o direito de outras pessoas que estão se movimentando" e citou que as obstruções causam "prejuízo à nossa economia".

Na manhã desta quinta, caiu para seis o número de estados com bloqueios de rodovias no Brasil. No primeiro boletim da PRF (Polícia Rodoviária Federal), eram 11 os estados com mobilizações golpistas.

O boletim divulgado na noite de quarta, indicava 89 interdições de bolsonaristas em 12 estados. Segundo a PRF, 834 bloqueios já foram liberados desde o início da semana.