AstraZeneca para segunda dose praticamente acaba na cidade de São Paulo

·5 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Quase todos os postos de vacinação da cidade de São Paulo ficaram nesta quinta-feira (9) sem a vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca para segunda dose.

Segundo o site "De Olho na Fila", serviço desenvolvido pela Prefeitura de São Paulo para mostrar a situação dos postos e se há vacina para segunda dose, por volta das 17h desta quinta, apenas 20 dos 550 locais abertos tinham o imunizante. Ou seja, o reforço era disponibilizado em 3,6% das unidades.

Às 11h, 454 postos não tinham AstraZeneca, segundo o "Filômetro", como é chamado o serviço da gestão Ricardo Nunes (MDB). Mas o número de locais sem as doses foi aumentando ao longo do dia. A vacinação na capital termina às 19h.

O problema ocorre também com vacina da Pfizer para segunda dose na cidade de São Paulo, mas em menor número.

Preparação de vacina contra o novo coronavírus em UBS (Unidade Básica de Saúde) da zona oeste de São Paulo - Rivaldo Gomes - 15.mai.21/Folhapress

Às 17h, apenas 12 UBSs (Unidades Básicas de Saúde) da zona leste e 8 da zona sul tinham AstraZeneca, segundo o "Filômetro".

Conforme apurou a reportagem, o problema deve permanecer nesta sexta-feira (10) na cidade de São Paulo.

A falta do imunizante fez com que muitas pessoas peregrinassem por unidades de saúde em busca da segunda dose. O redator Raul Ignácio Arriaga, de 56 anos, é um deles. Ele foi à UBS onde tinha tomado a primeira dose da vacina e depois de pegar a fila ouviu da atendente que não tinha doses da AstraZeneca.

“Fui à UBS do Patriarca (centro), perto da prefeitura. Quando cheguei lá, a moça disse que não tinha Astrazeneca e que também não tinha previsão de chegada. Ainda perguntei se ela sabia se tinha em alguma outra unidade próxima, mas ela não soube me explicar”, conta Raul.

Ele, então, decidiu fazer como um rapaz que estava na mesma unidade, e foi até uma UBS próxima à rua da Consolação. Chegando lá mais uma decepção. “Me informaram que também não tinha a vacina e que, talvez, chegassem algumas doses após as 17h. Só que eu tenho que trabalhar agora, não vou conseguir ir nesse horário na UBS”, disse.

Outra pessoa que não conseguiu tomar a sua segunda dose foi a jornalista Adriana Vera e Silva, 56. Ela contou que esteve em uma UBS em Perdizes (zona oeste) logo pela manhã e que foi avisada que não tinha nenhuma dose de AstraZeneca.

“Tenho um grupo com muitos amigos da minha idade que tentaram tomar a vacina hoje [quinta] e não conseguiram. Uma deu sorte e conseguiu tomar a segunda dose na Barra Funda logo cedo, mas um amigo que foi duas horas depois já não encontrou mais dose nenhum”, afirma Adriana.

A jornalista se disse frustrada pela situação. “Me sinto profundamente indignada. Não temos uma informação, uma orientação. Quando vou conseguir tomar minha dose? Não posso ficar me guiando pelo aplicativo pela cidade caçando um posto que a vacina para chegar lá e ser informada que acabou”, reclamou.

Esta não é a primeira vez que faltam vacinas na capital paulista. Em junho, a Secretaria Municipal da Saúde precisou interromper a vacinação, das duas doses no dia 21. Ela só foi retomada no dia seguinte com o envio de novos lotes pelo governo estadual.

A cidade de São Paulo está vacinando com primeira dose jovens a partir de 12 anos. Das 844 mil crianças e adolescentes que podem ser imunizadas contra a Covid-19, cerca de 523,6 mil haviam sido vacinadas até às 13h de quarta-feira (8), ou seja, 62% do total.

Também estão sendo aplicadas a terceira dose em idosos a partir de 90 anos. Por enquanto, essas pessoas estão sendo imunizadas com a vacina que tiver no posto. Mas a partir do dia 15, serão aplicadas apenas Pfizer para o reforço.

Em nota, a Secretaria Municipal da Saúde diz que recebe nesta quinta-feira (9), do governo estadual, 254.556 doses da vacina Pfizer e 128.510 da Coronavac. "Em relação a AstraZeneca, a SMS aguarda a entrega pelo Ministério da Saúde", afirma.

A gestão Ricardo Nunes diz que devido à alta adesão por parte da população, nestes últimos dias, com aplicação de mais de 200 mil doses da vacina anticovid diariamente, pode ocorrer falta de alguns imunizantes na rede.

"Para garantir a vacinação nos territórios e resolver eventuais desabastecimentos por conta da alta procura em algumas regiões, a SMS realiza o remanejamento entre as unidades do município", afirma a nota.

Até esta quarta, a capital aplicou 15.409.368 doses, sendo 9.874.108 primeiras doses, 5.200.428 segundas doses e 321.565 doses únicas. "A cobertura vacinal para população acima de 18 anos está em 104,8% para primeira dose ou dose única e 59,8% para segunda dose ou dose única.

Em adolescentes de 12 a 17 anos, foram aplicadas até o momento 550.036 primeiras doses, representando cobertura vacinal de 65,2%", afirma a nota.

Já o Ministério da Saúde disse que adiantou o envio de doses da AstraZeneca para São Paulo. “Antecipamos o envio de 315,5 mil doses da vacina previstas para serem entregues até 30 de setembro para a aplicação da segunda dose no estado, em 31 de agosto”, diz, também em nota.

O governo estadual, gestão João Doria​ (PSDB), ministério deixou de enviar cerca de 1 milhão de doses da vacina para São Paulo e esse é o motivo que fez com os municípios paulistas ficassem impossibilitados de aplicar a segunda dose da AstraZeneca. A gestão tucana chamou a falta de vacinas de "apagão".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos