Atacar a Justiça Eleitoral é atacar a democracia, diz presidente do TSE

·2 min de leitura
Presidente do TSE, Edson Fachin

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, defendeu nesta segunda-feira mais uma vez a segurança e transparência da votação por meio das urnas eletrônicas e afirmou que atacar a Justiça Eleitoral é atacar a democracia, em discurso na abertura de reunião da Comissão de Transparência Eleitoral (CTE).

Para Fachin, a democracia eleitoral é inegociável e o país tem eleições íntegras, destacando que a Justiça Eleitoral é um "patrimônio democrático imprescindível".

"Atacar a Justiça Eleitoral é atacar a democracia; o voto é secreto e o processo eletrônico de votação, conquanto sempre suscetível de aprimoramentos, é reconhecidamente seguro, transparente e auditável; e que são imprescindíveis paz e segurança nas eleições porquanto não há paz sem tolerância e sem respeito mútuo", disse ele.

O presidente do TSE destacou que o tribunal vai continuar a refletir sobre sugestões e questões, bem como sobre aprimoramentos para as eleições de 2024 e as próximas. Frisou que para as eleições de outubro o quadro já está definido com base na Constituição, leis e decisões do Congresso Nacional e regulamentos do tribunal.

"Apelo a todos e a todas por paz e segurança nas eleições. É hora de ficar dentro das balizas dos limites e das possibilidades fixadas pelo Poder Legislativo. Foram ultrapassados os marcos temporais para inovações. Peço apoio desta comissão em cumprirmos a lei, com ordem e tranquilidade", ponderou.

Fachin iniciava mais uma reunião para discutir eventuais propostas e definir um relatório final para os trabalhos.

Em desvantagem nas pesquisas à reeleição em outubro, o presidente Jair Bolsonaro tem sido um crítico contumaz do atual sistema de votação e chegou a insinuar que poderia não aceitar o resultado da votação.f

Bolsonaro afirmou também que o representante das Forças Armadas na comissão de transparência teria identificado vulnerabilidades no sistema, declaração essa que foi rebatida pelo TSE. A corte eleitoral disse que, na verdade, foram feitos apontamentos de natureza técnica pelo militar que compõe o colegiado, reafirmando a segurança das urnas eletrônicas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos