'Ataque à democracia': imprensa internacional repercute invasão de golpistas

Invasão do Congresso, Planalto e STF por golpistas em Brasília foi comparada ao ataque ao Capitólio nos EUA em 2021
Invasão do Congresso, Planalto e STF por golpistas em Brasília foi comparada ao ataque ao Capitólio nos EUA em 2021

A invasão de Brasília por bolsonaristas golpistas que depredaram o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal e o Palácio do Planalto foi destaque da imprensa internacional nesta segunda-feira (9/1). O tema foi o principal destaque nas capas de praticamente todos os grandes veículos internacionais de imprensa, como New York Times, Wall Street Journal, Financial Times, Economist e El País — entre outros.

O jornal espanhol El País publicou um editorial intitulado "Ataque à Democracia no Brasil" em que opina que "Lula terá que impor a lei e punir sem atenuantes os culpados da agressão".

O El País criticou Bolsonaro, dizendo que o ex-presidente "esperou várias horas antes de falar da Flórida, para onde foi para evitar comparecer à cerimônia de transferência de poder".

"Só após o fracasso do ataque ele afirmou que 'invasão de prédios públicos está fora de regra' e repudiou as acusações que o implicavam no atentado. Foram palavras tardias, mesquinhas diante da gravidade dos acontecimentos e que mostram, mais uma vez, o perigo que Bolsonaro sempre representou para a democracia", afirma o jornal espanhol em seu editorial.

"Por trás do que aconteceu [em Brasília] está, em última análise, não apenas a incapacidade de Bolsonaro de aceitar a derrota, mas o veneno de uma estridente extrema-direita que, tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil e em outros países, não é capaz de aceitar as regras do jogo democrático e procura por todos os meios, incluindo a força bruta, tomar o poder."

"O episódio vivido neste domingo em Brasília, como o ataque ao Capitólio (nos EUA) há dois anos, deve servir como lembrete do enorme perigo que representam esses movimentos radicais e da necessidade de as forças democráticas permanecerem unidas e evitarem dar-lhes oxigênio."

O editorial conclui que Lula não terá uma "jornada fácil" pela frente para lidar com a crise política no Brasil.

"Seu antecessor deixou um país quebrado e a gravíssima crise deste domingo só aprofundou essa fratura. Para superá-la, Lula terá que impor a lei e punir os culpados sem atenuantes, mas também apelar para os valores que lhe permitiram vencer nas urnas e avançar em um caminho que permita aos brasileiros recuperar a normalidade democrática."

Invasões golpistas foram atos sem precedentes na história brasileira (Foto: Reuters)
Invasões golpistas foram atos sem precedentes na história brasileira (Foto: Reuters)

A revista britânica The Economist comparou a invasão de Brasília ao ataque ao Capitólio em 2021 por apoiadores do ex-presidente Donald Trump.

"Mas se os distúrbios em Washington revelaram lapsos na inteligência e na coordenação da polícia, a versão brasileira sugere que há algo mais sinistro. Embora não haja evidências de que a polícia foi cúmplice da insurreição, eles foram, no mínimo, passivos. Logo após o início da invasão do Congresso em Brasília, um grupo de policiais foi flagrado conversando com manifestantes, tirando selfies e filmando o caos, em vez de agir para detê-lo", escreveu a revista.

"Os pedidos de reforço do chefe da polícia do Senado ao governador do Distrito Federal, que é aliado de Bolsonaro, foram ignorados até o final da tarde. (Em uma aparente tentativa de livrar sua cara mais tarde, ele demitiu seu secretário de segurança, que foi ministro da Justiça de Bolsonaro.)"

A revista afirma que o governo Lula precisará concentrar seus esforços em lidar com essa crise, adiando qualquer outro plano.

"A intervenção federal dá ao governo de Lula amplos poderes para investigar e demitir qualquer policial que tenha violado seus deveres por causa de suas convicções políticas. Isso poderia dar início a esforços de reforma semelhantes em outros Estados brasileiros. Isso pode desviar a atenção de outros assuntos urgentes, como uma série de reformas econômicas urgentes. Quaisquer reformas que exijam mudanças constitucionais terão que esperar até que a intervenção federal termine."

"Depois de anos de tumulto político e econômico, os brasileiros estão desesperados por estabilidade. Eles vão ter que esperar um pouco mais", diz a Economist.

O jornal americano The New York Times disse que a invasão de Brasília "foi o ápice violento de incessantes ataques retóricos aos sistemas eleitorais do país por parte de Bolsonaro", que fez falsas alegações contra a eleição de outubro, quando foi derrotado por Lula.

O New York Times afirma que Bolsonaro está "entocado há milhares de milhas na Flórida", enquanto a violência ocorria em Brasília. Em outro artigo, o jornal americano comparou a invasão de Brasília com o ataque ao Capitólio. Em ambos os casos, segundo o jornal, os movimentos foram fomentados por líderes derrotados nas urnas que acusaram fraudes eleitorais sem provas — Donald Trump e Jair Bolsonaro.

O jornal americano Washington Post destacou o papel das redes sociais na depredação de Brasília por bolsonaristas.

"Nas semanas que antecederam os violentos ataques de domingo ao Congresso do Brasil e outros prédios do governo, os canais de mídia social do país estavam cheios de apelos para que se atacasse postos de gasolina, refinarias e outras infraestruturas, bem como para que as pessoas viessem a uma 'festa do grito de guerra' na capital, de acordo com pesquisadores brasileiros de mídia social."

"Pesquisadores brasileiros disseram que entre os apoiadores de Bolsonaro, uma contranarrativa começou a circular no domingo, culpando o governo Lula e pessoas do partido de Lula por se infiltrarem em manifestações pacíficas e democráticas para virar o país contra os apoiadores de Bolsonaro. A contranarrativa também lembra a insurreição de 6 de janeiro, na qual muitos apoiadores de Trump culparam ativistas de esquerda pela violência."

O britânico Financial Times destacou que "embora os prédios do governo estivessem desocupados e o Congresso não estivesse em sessão, as violações provavelmente levantarão dúvidas sobre a segurança das instituições políticas e judiciais do Brasil. O incidente também apresenta escolhas difíceis para Lula, que assumiu a presidência há apenas uma semana prometendo unir a nação, mas estará sob pressão para reprimir os apoiadores radicais de Bolsonaro".