Ataque 8 de Janeiro: Celular de Ibaneis é entregue à PF

Governador afastado do DF é investigado por suposta omissão durante ataques bolsonaristas

Governador afastado do DF, Ibaneis Rocha (MDB) entregou celular à PF. Gestor é investigado por suposta omissão durante ataques às sedes dos Três Poderes promovidos por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). REUTERS/Adriano Machado
Governador afastado do DF, Ibaneis Rocha (MDB) entregou celular à PF. Gestor é investigado por suposta omissão durante ataques às sedes dos Três Poderes promovidos por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). REUTERS/Adriano Machado
  • Investigado por possível omissão nos atos de vandalismo do dia 8, Ibaneis entregou celular à PF;

  • Governador do DF foi afastado do cargo após vandalismo promovido por bolsonaristas na capital federal;

  • Decisão mantida pela Corte do STF mantém afastamento por 90 dias.

O telefone celular do governador afastado do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), foi entregue à Polícia Federal (PF) nesta segunda-feira (23). Na sexta-feira (20), ele foi alvo de uma operação de busca e apreensão da Procuradoria-Geral da República.

A entrega do aparelho telefônico de Ibaneis para a PF foi confirmada pela defesa dele ao portal G1.

"A defesa do Governador Ibaneis Rocha, em mais uma demonstração de boa fé, compareceu hoje à sede da PF em Brasília e entregou o telefone celular usado pelo chefe do Poder Executivo do DF, para que seja feita a perícia. A defesa ainda esclarece que disponibilizou a senha", disse o advogado Cleber Rocha ao portal G1.

O governador foi afastado após os ataques promovidos por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) às sedes dos Três Poderes, em Brasília.

Ele e o ex-secretário executivo da Segurança Pública do DF, Fernando de Souza Oliveira, são investigados no inquérito do Ministério Público Federal que apura a possível omissão das autoridades nos atos golpistas registrados no dia 8 de janeiro.

Na sexta, foram cumpridos mandados de busca e apreensão no Palácio do Buriti, na casa e no escritório de advocacia de Ibaneis, na residência de Oliveira e na sede da Secretaria de Segurança Pública (SSP).

Na ocasião, o governador afastado estava no Piauí, e só retornou à capital federal no domingo (22).

Intervenção federal e afastamento

Desde o dia 8, o presidente Lula (PT) decretou intervenção federal na segurança pública do DF. Assim, Ricardo Cappelli, secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, foi nomeado interventor.

Na madrugada do dia 9, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afastou Ibaneis do governo por 90 dias. A decisão foi mantida pela Corte no dia 11, por 9 votos a 2.